quarta-feira, 19 de março de 2008

Famílias do Quixará.



Nas cidades do interior, uma marca muito forte
fica gravado na memória da sua existência:
as famílias com suas histórias.

Farias Brito não seria exceção.
Dezenas, uma com maior ou menor expressão,
deixaram bons contos e boas lembranças,
que merecem serem revividas.

Tive a sorte de quando criança ter conhecido umas
das mais belas figuras da época, que significava
muito na vida de Quixará.

Apesar de cegueira, seu Epifânio destacava-se
pela sua presença altiva, e pelo seu bom papo na roda
de amigos, e por alguns dons mais perceptíveis
nas pessoas que sofrem com alguma deficiência,
e que a natureza divina os faz especiais ,
em função da necessidade da sua convivência humana.

Conhecia e lidava com o dinheiro, como qualquer pessoa
que tivesse a visão normal, recebendo e dando troco
a qualquer pagamento que se fizesse necessário.
Reconhecia as pessoas que passavam pelas ruas,
apenas pelo ruído do seu caminhar, os saudando sempre,
antes que os outros o fizessem.

Teve entre seus filhos figuras de grande destaque,
uns pela beleza física, outro pela inteligência rara,
dos quais citamos, Carmosa, Ieda, Ademar, Aderson,
e o grande Luiz, que até hoje vive no nosso meio
a dar pinceladas de conhecimento, a quem
com ele tenha uma amizade pura e sincera.

Do cego Epifanio se guardará sempre esse registro
de uma passagem sem mácula, e que ficará vivo,
até desaparecer o último sobrevivente da história bonita,
do grande Quixará.

Elmano Rodrigues Pinheiro
Postar um comentário