terça-feira, 29 de abril de 2008

Cordeis que participarão do XIII Festival de Violeiros

As Escolas Públicas Municipais de Farias Brito participarão do XIII Festival de Violeiros, no próximo dia 1º de Maio. Apresentarão os cordéis vencedores do Concurso "Brasil, um país de todas as cores". Participaram 10 Escolas Públicas e o resultado será publicado no ato do evento.

EEF Antonio Paes de Andrade
Farias Brito – CE
II Concurso Literário: “Brasil, um país de todas as cores”.
Autor do Cordel: Loraine Lacerda Lima – 8ª Série A
Capa: Yan Cleiton Nunes – 6ª Série B

No ano 1500
Em 22 de abril
A esquadra portuguesa
Aportou para o Brasil
E Portugal tomou posse
Da terra que descobriu

Na verdade o que ocorreu
Foi algo bem diferente
Pois na terra descoberta
Há muito havia gente
Com sua própria cultura
A qual era diferente

O povo que aqui vivia
Foi bastante massacrado
De selvagens e animais
Injustamente tachado
O seu lar foi destruído
E por fim escravizado

Com a colonização
A vida não melhorou
E não foi somente o índio
Que o europeu explorou
E o negro contra a vontade
Na nossa terra chegou

O negro assim como o índio
Serviu de grande lição
A margem da sociedade
Sem direito ou instrução
E foi assim grande parte
Da história da nação

O índio perdeu a força
Com a catequização
O branco mudou cultura
E também religião
Além de roubar raízes
Com a civilização

As florestas do Brasil
O lugar onde viveram
Foram muito devastados
E os seus lares perderam
E sem lugar na floresta
Povos desapareceram

Escravos por sua vez
Não tiveram melhor sorte
Trabalhavam sem descanso
Às vezes até a morte
Castigados ao açoite
Vivia quem era forte

Com o fim da escravidão
A coisa ainda era séria
Tanto o negro como o índio
Que viviam sempre nela
Do tanto do sofrimento
Acabaram na miséria

Os índios eram milhões
Agora são poucos mil
Já foram donos das terras
Os senhores do Brasil
E hoje sua existência
Se encontra por um fio

Instalados em reservas
Prisões territoriais
Viver em liberdade
Quase já não podem mais
As vezes prejudicados
Por negócios ilegais

O índio como o escravo
É um ser que ainda persiste
Sua história no Brasil
Foi algo bastante triste
Mas sua crença no futuro
Felizmente ainda existe

Isolados na Amazônia
Existem tribos nativas
Que crenças e tradições
Ainda mantêm vivas
Longe dos brancos que trazem
Muitas coisas negativas

Os negros que antigamente
Formaram comunidades
Conseguiram um lugar
Na nossa sociedade
E lutam contra o racismo
E a marginalidade

No Brasil de hoje em dia
Se busca a harmonia
Numa mistura de cor
De raça e alegria
Com um povo diferente
Mais de muita simpatia


EEFM Getúlio Vargas
II Concurso Literário: “Brasil, um país de todas as cores”.
Autor: Rafael Omar Nachabe – 9ª Série A
Capa: Denner Marinho Macedo – 9ª Série A

Brasil de todas as cores
Pardos, brancos., ameríndios
Miscigenação profunda
País de negros e índios
Que acelerou sua raça
De um povo sempre servindo

A imagem que hoje temos
É de um povo secular
E a sua grandeza
Não podemos ocultar
A vasta experiência
Da cultura popular

É do afro-brasileiro
Que agora vamos falar
O nosso povo indígena
Não posso ignorar
E é com muito orgulho
Que queremos exaltar

A cultura do Brasil
Chama muito a atenção
Povos que aqui viveram
E tem muita tradição
Com o afro-brasileiro
Isso sim, que é emoção.

O nosso país é grande
Tem seu povo hospitaleiro
Foi tarefa complexa
Mostrar pro mundo inteiro
Que o nosso grande Brasil
Também é afro-brasileiro

Sendo pluricultural
Indígenas e africanos
O ritmo do xangô
É típico dos baianos
É a nossa versão local
Já é dos pernambucanos

Na Bahia se preserva
A ortodoxa do candomblé
Caboclos e preto velho
E as curas pelo pajé
E ainda se registra
Babaçus e xequeré

O ritual do candomblé
É um oratório dançado
Com cantigas e danças
O canto é puxado
Por um coro uníssono
E pai-de-santo formado

Nós e o povo indígena
Tem interesse comum
Como amantes da vida
Tem arte como nenhum
Saber viver da terra
Pois não é prá qualquer um

E a África? É desprezada
Desabrocha a magia
África, mãe de povos
Flor negra que desafia
Na busca da liberdade
Do canto e da alegria

Este país que tanto sofre
E dança em meio a dor
É gente muito bacana
Canta coisas do amor
Eu quero saudar com fé
O meu Brasil com fervor

Escravos africanos
Já sofreram de tortura
Mas veio a abolição
Sim, da escravatura.
E o fim dessa jornada
Essa grande ditadura

Depois dessa vitória
Tudo mudou sua cor
Conflitos acabaram
Tudo com muito valor
E as feridas secaram
Acabando com a dor

Hoje ninguém se engana
Com a miscigenação
O branco, o negro, o índio.
Misturados todos são
Fazendo valer a lei
Para o amor da nação

Concluímos, portanto
O nosso memorial
E que conta a história
De um povo sensacional
Precisamos avaliar
Um povo original


EEF Cosmo Alves Pereira
Distrito de Quincuncá
II Concurso Literário: “Brasil, um país de todas as cores”.
Autor do Cordel: Cicera Naiécia Bezerra – 9ª Série
Capa: Caio Tomaz de Aquino – 9ª Série


O Brasil era um país
De muita escravidão
Havia muitos escravos
Buscando libertação
E graças a Princesa Isabel
Conseguiram abolição

As revoltas do povo negro
Contra a escravidão
Teve uma intensidade
Pois doeu no coração
Aquele grande sofrimento
Por sua libertação

Com o fim da escravidão
Muitos libertos deixaram
As fazendas dos senhores
Onde sufoco passaram
E para a Grande São Paulo
Logo logo se mandaram

O trabalho escravo trouxe
Uma grande tradição
É o folclore brasileiro
Que hoje é manifestação
Que inclui danças e lendas
E muita superstição

Após a abolição
Fazendeiros se revoltaram
E se sentiram traídos
Porque nunca aceitaram
A liberdade dos escravos
E muito bravos ficaram

E a afro-brasileira
De geração em geração
Passa de pai para filho
De irmão para irmão
Assim sucessivamente
Se forma a tradição

O preconceito existe
Do povo desinformado
Que do Brasil não conhece
Nem um pouco do passado
Pois o negro construiu
O nosso Brasil amado

Caboclo, mulato, cafuzo.
Formam a grande nação
Isso é o que chamamos
Grande miscigenação
Acredite meus amigos
Nós todos somos irmãos

Para terminar meus versos
Eu lhe digo meu senhor
Que o negro é importante
Pois tem Padre e ate doutor
E o tal de preconceito
Eu nem sei quem inventou.


Por Cícero Menezes

domingo, 27 de abril de 2008

Isaac Junior prefeito de Mauriti, estende a mão, em prol das bibliotecas públicas do Cariri.



Isaac Júnior,prefeito de Mauriti,
num ato de solidadariedade com as
bibliotecas públicas da região do Cariri,
está tornando possível a parceria com
a Fundação Enoch Rodrigues,
e posibilitando que mais de 1300 títulos
façam parte dos seus novos acervos.
Para se ter uma idéia da importância
desse trabalho, está completando um ano,
que as bibliotecas, do Museu dos Inhamuns
em Tauá, Várzea Alegre, ICC, DNOCS,
do Horto em Juazeiro, e mais algumas
da região, numa parceria com o IBAMA
( Jackson Antero ), conseguiram mais
de 1500 títulos, aproveitando uma viatura
do Governo Federal, que estava sendo
disponibilizada para a o Cariri.
Mais uma vez o Jackson que acompanha
de perto o nosso trabalho, nos ajuda nessa
empreitada, e Mauriti faz a sua parte,
num gesto de agradecimento por já ter sido
contemplada com quase 200 títulos,
numa doação anterior.
Através das formiguinhas que viajam
pelo Expresso Guanabara,
e também com a ajuda dos seus diretores,
milhares de livros já fazem parte dessa
nova rota cultural. E tem mais, na próxima
semana Tiago Viana, grande escritor
cratense,e turbinador do Blog Impurezas..,
estará fazendo a sua parte, e levando
mais de 200 títulos.
É muito bom quando os amigos se irmanam,
na luta por uma boa causa.
.
Elmano Rodrigues Pinheiro

sábado, 26 de abril de 2008

Disputa: IV Vaquejada de Inverno de Farias Brito

Campeão
Neto Pontes
Representação: Armazém Asa Branca
Juazeiro do Norte - CE

2º Lugar
Naldo Pinheiro e Antônio Marcos
LL Autopeças
Juazeiro do Norte - CE

3º Lugar
Didi
Vaquejada de Exú 15 mil em prêmios
Exú - PE

4º Lugar
Sanderval
Lion Inject
Juazeiro do Norte - CE

5º Lugar
Manu
Santana do Cariri - CE

6º Lugar
Claudecil e Flavinho
Parque Nossa Senhora Aparecida
Cedro - CE

7º Lugar
Elizaldo
Via Show
Juazeiro do Norte - CE

8º Lugar
Charles e Antônio Marcos
Dr. Robênio
Juazeiro do Norte - CE

9º Lugar
Charles e Antônio Marcos
Dr. Robênio
Juazeiro do Norte - CE

10º Lugar
Vicente Jr. e Zé Cutuca
MP Foleados
Juazeiro do Norte - CE

11º Lugar
Passarim e Chico Mocêgo
MAXCON
Farias Brito - CE

Veja fotos da disputa da IV Vaquejada de Inverno de Farias Brito.


































Data: 21/04/2008
Fotos: Taciano Pinheiro

quinta-feira, 24 de abril de 2008

A população de Farias Brito, não merecia esse castigo.

Acabo de receber um relatório
do DNPM - Departamento
Nacional de Produção Mineral,
e vejo com grande tristeza,
a inclusão de Cariutaba
e São Romão, nas permissões
para a Companhia Vale
do Rio Dôce, fazer exploração
de Minério de Cobre no sub-solo.
A população não tem a mínima
idéia do que pode significar essa
tragédia para o município, e para as
pessôas que são proprietários
dessas áreas autorizadas.
Será que algum político levou essa
discussão para a comunidade?
Elmano Rodrigues Pinheiro.

90 anos de Dr. Antônio Tavares

Hoje está completando 90 anos Dr. Antônio Tavares. Nós do Blog Farias Brito desejamos muitas felicitações a este grande cidadão caririense. Segue abaixo uma breve biografia e um depoimento do amigo Dr. Iari Lacerda.

Muitas felicidades Dr. Antônio,

Yuri Lacerda

Administrador do Blog Farias Brito

Biografia de Dr. Antônio Pires Tavares

Antonio Pires Tavares é filho de Martinho Pires Tavares e Diolina da Glória Araruna. Irmãos Maria Tavares Araruna, Idalina Tavares Araruna, Francisca Tavares Araruna, Edite Tavares Araruna, Zélia Tavares Araruna, Terezinha Tavares Araruna, José Tavares Araruna e Estela Tavares Araruna.

Antônio Pires Tavares, nasceu em Missão Nova-CE, no dia 24 de Abril de 1918.

A vida educacional e profissional foi marcada por lutas e sofrimento. Iniciou sua vida escolar nas escolas públicas de Missão Nova-CE, Missão Velha-CE, no gionásio do Crato-CE, Colégio Castelo Branco e no Liceu do Ceará.

Certo das limitações de seu meio, partiu muito jovem, para o Norte do País, Belém do Pará, sem contar com ninguém e sem outros recursos que não o seu caráter, força de vontade e preparo intelectual. Pois conhecidos são a inteligência, e o empenho, o despreendimento que aplicava em seus trabalhos. Perseguia-o o ideal de ser médico, mas o destino o colocou no ideal de Cirurgião Dentista, profissão que desempenhou com competência, amor e responsabilidade durante 50 anos, nas cidades de Missão Velha, Jardim, Granito-PE, Caririzinho-PE, Sítio dos Moreiras-PE e Crato-CE. Foi Supervisor Regional de Saúde em diversas cidades da região do Cariri no total de 28 municípios, antes da sub divisão dos municípios da região do Cariri. Dr. Antônio Tavares como é conhecido é formado em Cirurgião Dentista pela Universidade de Belém do Pará no ano de 1944.

Dr. Antônio foi casado com a professora Maria Celme Novais Tavares da cidade de Jardim-CE, teve 6 filhos, Maria Ceulia, Antônio Célio, Francisco, Maria Zita e Maria Célia, teve 15 netos, conviveu uma vida conjugal e harmoniosa durante 51 anos é modelo de equilíbrio, sobriedade e firmeza, virtudes que, a par de extraordinário bom senso e fino discernimento permitiram-lhe orientar para a vida seus descendentes. Ficando viúvo, contraiu 2ª núpcias com a professora Lúcia Maria de Oliveira Castro Pires Tavares.

Dr. Antônio trabalhou em seu consultório odontológico na cidade de Crato-CE durante 33 anos. É funcionário público aposentado, trabalhou na 3ª DERES Crato-CE, Posto de Saúde e Policlinica Cirandinha.

Participou de vários congressos, simpósios de saúde pública realizados sob égide da Associação Brasileira de odontologia e da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Fez curso em Pernambuco, sob a coordenação da SUDENE.

Dr. Antônio, como é conhecido por todos é pessoa querida, respeitada e admirada por uma legião de amigos que conquistou ao longo de sua vida. É um exemplo de vitalidade, perseverança, experiência de vida e vontade de viver, admira à vida vivendo cada minuto com lucidez, amor e alegria, tem uma vida social ativa, participa de várias entidades, gozando de uma boa convivência entre familiares e amigos.

Homenagem aos 90 anos de vida

Dr. Antônio Tavares eu conheci dois: o primeiro, quando era criança, meu vizinho na rua D. Quintino em Crato. Todos os dias nos encontrávamos; ele saia para o trabalho e eu e meus irmãos para o colégio. Sempre alegre nos dizia: "o estudo é a melhor maneira de vencer na vida". O segundo Dr. Antônio, o colega que, enquanto exerceu a profissão, via a odontologia como uma religião.

A seriedade e honestidade nos trabalhos; a habilidade nas cirurgias e a caridade com os pobres eram seus dogmas.

Antônio, o colega que não media esforços para educar seus seis filhos. Atravessava noites em seu consultório na Av. Duque de Caxias e depois, na Tristão Gonçalves, no Palácio do Comércio, tendo sua primeira esposa D. Celme, como secretária.

Sempre à tarde, após o expediente nos encontrávamos na Praça Siqueira Campos. Ele, Dr. Francisco Parente e eu. Ali recebíamos verdadeiras lições de vida, ministradas por aquele que teve uma vida profissional muito difícil. Inicialmente, viajando em lombo de cavalo, depois de Jipe sob o sol e chuva.

A broca para remoção de cáries era movida a pedal. Finalmente, chegou a evolução e Antônio se adaptou com maestria à broca turbinada e as resinas foto-polimerizáveis.

Estes foram os Antônios os quais tive a felicidade de conhecê-los e conservá-los como amigo e mestre, durante todo esse tempo. E hoje, comemorando seus noventa anos, casado com a professora Lúcia Castro guarda a mesma seriedade, honestidade e amizade a todos que o conhecem. Feliz 90 anos!

De seu amigo,

Iari Lacerda

IV Vaquejada de Inverno de Farias Brito

A IV Vaquejada de Inverno de Farias Brito ocorreu nos últimos dias 18, 19 e 20 de Abril e a equipe do Blog Farias Brito esteve neste evento para realizar a cobertura. Muita animação, gente bonita, gado caindo na pista e muitos visitantes de diversas cidades do Nordeste.

A cada ano a vaquejada de inverno de Farias Brito está aumentando e se consagrando como um que veio para ficar na agenda do povo caririense. A quarta edição veio para mostrar que este evento está crescendo.

Abaixo seguem algumas fotografias registraram de alguns momentos deste grande evento.

Equipe de locução. Ailton Panema à esquerda
Ailton Panema, Dr. Emanuel Pinheiro e Dr. Antônio Liberalino (Batata)

Forró Nildinha e Amor Cearense animando a noite de Domingo
Visitantes da cidade de Várzea Alegre. Ao centro Humberto e a direita Raíssa

Troféus de primeiro e segundo lugar
Vaqueiros aguardando a saída do boi
Um dos locutores da corrida


Dr. Marcos Sampaio e sua esposa Dra. Melina Almeida, Taciano Pinheiro e Débora, Kátia e Keyla
Dr. José Pinheiro (Cazuza)







Kairo, Yuri Lacerda, Rômulo e Ricardo (turistas de Campina Grande) e Dr. Aureliano Pinheiro
Equipe da organização: Dr. Aureliano Pinheiro, Dr. Emanuel Pinheiro e Alexandre Penha