sexta-feira, 11 de abril de 2008

Chuvas acima da média no Ceará

Fortaleza. “Até o fim da estação chuvosa, todas as regiões do Estado ficarão acima da média”. A afirmação do meteorologista Paulo Barbieri, da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) reflete o bom índice de chuvas em todas as macrorregiões do Ceará. Por mais que não se tenha, ainda, o resultado consolidado da quadra chuvosa, que termina em maio, a média divulgada desde o primeiro dia do ano até 9 de abril é de 27,6% acima do normal de chuvas. Em comparação com este ano, em 2007 o índice de chuvas no Estado do Ceará ficou em 18,5% negativos.

A incidência de mais precipitação este ano se deve, principalmente, à zona de convergência intertropical, considerada um dos mais importantes sistemas meteorológicos em atuação nos trópicos. Conforme o relatório enviado pela Funceme, todas as regiões do Estado, no ano passado, ficaram com porcentagem negativa. Este ano, apenas as regiões do Litoral de Fortaleza e do Maciço de Baturité ainda continuam com índices negativos: - 2,5% e - 9,9%, rescpectivamente. Mas a previsão é que esse quadro seja revertido até o fim de maio.

Distribuição

Além disso, percebe-se uma diferença desigual na distribuição das chuvas em todo o Estado. Analisando o gráfico da Funceme, até o momento, a região do Estado que mais tem registro de chuvas acima da média é a do Cariri, com 57,5%. Em seguida, o Litoral Norte, com 33,4%; e Sertão Central e Inhamuns, com um índice de 30,7%. “Isso se deve a uma variabilidade natural. É uma característica do Estado, onde existem regiões em que chove muito e outras chove pouco. Mas tudo indica que vai aumentar e a previsão é de que todas as regiões fiquem acima da média. Não vamos estipular um índice, porque trabalhamos com categorias”, afirma Paulo Barbieri.

De acordo com o meteorologista, as macrorregiões do Litoral de Fortaleza e o Maciço de Baturité estão incluídas na categoria normal, podendo a passar para a categoria de chuvoso em breve.

Açudes

Dos 127 açudes monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), em parceria com o Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), 62 já sangraram até o fechamento desta edição. O Açude Ubaldinho construído em 1999, e que fica localizado no município de Cedro, teve a sua primeira sangria registrada último dia 7, como também o Açude Muquém, no município de Cariús, construído em 2000, sangrou pela primeira vez. Os últimos que sangraram foram: Nova Floresta, em Jaguaribe; e Jerimum, em Irauçuba. A Cogerh também registrou o Açude Flor do Campo, que também sangra pela primeira vez, no município de Novo Oriente.

No momento, o Ceará encontra-se com 73,11% de acumulação de água da capacidade total. Vale destacar que, devido às chuvas, a quantidade de reservatórios sangrando muda constantemente.

Fonte: Diário do Nordeste
Colaborou: Carlos Airton
Postar um comentário