quarta-feira, 16 de abril de 2008

Santuário da Mãe das Dores será Basílica

Diário do Nordeste

O Ceará terá a sua segunda Basílica. O bispo da Diocese do Crato, dom Panico, fará anúncio oficial no próximo dia 22


Juazeiro do Norte. O Santuário Diocesano de Nossa Senhora das Dores passará a ser Basílica Menor. O anúncio será feito oficialmente no próximo dia 22, pelo bispo diocesano dom Fernando Panico. Há vários dias, no Cariri, a informação que traria grande alegria à população, passou a ser considerada “o segredo do bispo”, mas não deixou de ser mera especulação, já que a surpresa vem dar mais relevância à mística “capital da fé”, que se tornou Juazeiro do Norte. Mais de um milhão de romeiros visitam a cidade a cada ano.

O bispo deverá estar chegando hoje ao Cariri, após participar de assembléia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) realizada em São Paulo. Nos próximos dias 21 e 22 ele estará reunido no Centro de Expansão, no Crato, com todo o clero da Diocese, para estudar o assunto e o anúncio acontece na tarde do dia 22. Dom Panico trará maiores detalhes sobre a Basílica Menor, no Cariri, por meio de entrevista coletiva a ser concedida aos meios de comunicação.

Segundo o padre Paulo lemos, atual administrador do Santuário Diocesano de Nossa Senhora das Dores, a Basílica Menor de Nossa Senhora das Dores passará a ser a segunda no Estado, depois da Basílica de São Francisco de Assis, em Canindé. No Brasil, são 22 duas existentes, grande parte nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Bahia. Um dos principais roteiros da fé no Brasil, depois de Aparecida do Norte, passou a ser Juazeiro do Norte, por conta dos fenômenos ligados ao Padre Cícero Romão Batista. Ele foi o fundador da cidade e iniciou os trabalhos sacerdotais da Igreja Matriz.

Defensor dos romeiros

O monsenhor Murilo de Sá Barreto, já falecido, por mais de quatro décadas esteve à frente da igreja e foi um dos defensores dos romeiros do Padre Cícero. A devoção à Mãe das Dores, como é carinhosamente vista pelos romeiros, transforma a festa alusiva à santa numa das principais romarias do ano, durante o mês de setembro, abrindo o calendário das grandes festas religiosas realizadas no Estado.

Padre Paulo diz que ainda está se acostumando com a transformação, já que algumas mudanças serão feitas, no sentido de adequar aos critérios estabelecidos pelo Vaticano. Mas, é importante ressaltar que, para merecer o título dado pelo papa Bento XVI à igreja caririense, alguns motivos são considerados, como veneração devotada pelos cristãos, a história e beleza artística, arquitetura e decoração.

A própria igreja vem cuidando aos poucos de adequações importantes. Um deles diz respeito ao espaço externo da Praça dos Romeiros, repassada ao Santuário de Nossa Senhora das Dores pela Prefeitura Municipal. No último sábado foi lançada uma campanha para incluir grades, melhorar a iluminação e promover recuperação na praça, onde são realizadas as missas campais. Para isso, a igreja está realizando campanha junto aos fiéis.

De acordo com padre Paulo, um dos principais problemas está relacionado à ocupação pelos camelôs do espaço destinado aos romeiros da Mãe das Dores e do Padre Cícero. O sacerdote reconhece ser difícil a situação dos vendedores e não pode proibir a permanência deles no local.

Mas, por outro lado, diz que está buscando realizar um trabalho para que as pessoas compreendam a questão, que se arrasta há vários anos e não foi resolvida pelo poder público, por conta do grande número de barraqueiros que se instalam, principalmente durante as grandes romarias.

“Esse reconhecimento oficial vem pela importância que a igreja já tinha em si. É um título destinado a igrejas de relevância”, diz padre Paulo.

Com isso, ele afirma que algumas situações relacionadas aos atos litúrgicos serão modificadas, por passarem a ser modelo para as outras igrejas. Outro aspecto será o uso dos brasões do papa e do Vaticano. Esses símbolos passarão a ser usados na fachada da igreja e nos documentos oficiais.

Ao se tornar Basílica, algumas celebrações são recomendadas, como a de 29 de junho, Dia de São Pedro, também considerado Dia do Papa. O fiel que participa de celebrações durante esse dia recebe indulgência, que é o perdão dos pecados. Mas, padre Paulo ressalta que a igreja não deixa de ser Santuário com o novo título. Por ser Basílica, o sentido passa a ser de maior abrangência e ligação com o Papa. O título de Santuário de Nossa Senhora das Dores veio em 2002, reconhecimento direto da Diocese em relação ao crescimento da população Católica a cada ano em Juazeiro do Norte, tendo com um dos principais referenciais da fé romeira a matriz.

Das 22 Basílicas Menores que foram criadas no Brasil, grande parte delas está nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais. Juazeiro do Norte terá a segunda Basílica do Estado. A primeira é em Canindé.

BEATIFICAÇÃO E CANONIZAÇÃO

Veto da CNBB é criticado por devotos

Juazeiro do Norte. O pedido de revisão dos processos de beatificação e canonização de padres e bispos brasileiros, barrado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em assembléia realizada no último fim de semana, deixa triste a população romeira. Por outro lado, a esperança dos devotos que consideram o Padre Cícero santo está bem viva em relação ao reconhecimento da Igreja Católica. Enquanto isso, continua tramitando no Vaticano o processo com o pedido de reabilitação das ordens sacerdotais do Padre Cícero, entregue pelo bispo dom Fernando Panico.

Um dos estudiosos da vida do Padre Cícero e do fenômeno das peregrinações a Juazeiro do Norte, Geraldo Menezes Barbosa, diz que se a CNBB tomou essa atitude, a decisão dos bispos é soberana e tudo que se fez no passado para encaminhar o processo de reabilitação poderá ser dificultado. Ele lembra que o sacerdote faleceu suspenso de ordens sacerdotais. “O Brasil continua sendo o terceiro mundo até nas decisões da Igreja. Na Europa, principalmente Itália, não se impõe esta ordem”, afirma ele.

De acordo com o estudioso, a canonização e a beatificação são textos burocráticos da Igreja, reconhecendo aqueles que Deus já tem no céu como santos. “A voz do povo, que é a voz de Deus, faz essa beatificação e canonização, pela expressão do seu reconhecimento aos que se santificaram pelo bem que fizeram à terra”, explica Geraldo Barbosa. Ele acrescenta não ficar surpreso com esse veto da CNBB, já que várias vezes isso se repetiu no passado. “Há processos de canonização de mais de 500 anos. Tenho pouca esperança no que diz respeito ao reconhecimento do Padre Cícero, por conta das decisões burocráticas de Roma”, enfatiza.

Dona Maria do Carmo, desde criança, dedica sua devoção ao Padre Cícero. Sempre vai à Igreja de Nossa Senhora das Dores, orar e pedir bênçãos. Diz ter testemunhado verdadeiros milagres do Padre Cícero. “É um profeta santo. Encontro nele virtudes e atitudes”, destaca. Em relação ao veto da CNBB, ela ressalta que cada coisa tem sua hora para acontecer. “A hora dele vai chegar ainda”. A romeira de Acopiara, Josefa Gomes de Almeida, diz que o importante é fazer o que o Padre Cícero pediu, que é orar e confiar em Deus.

Comissão de estudiosos

O administrador do Santuário de Nossa Senhora das Dores, padre Paulo Lemos, afirma que, mesmo com a revisão dos processos barrada pela CNBB, não há encaminhamentos por meio da Conferência e sim pela própria Diocese, localizada na região onde conviveu o Padre Cícero e de onde foram enviados documentos, a pedido de revisão pelo então cardeal o prefeito da Congregação do Vaticano, Joseph Ratzinger, atual Papa Bento XVI.

O bispo dom Panico constituiu uma comissão de estudiosos para realizar vários levantamentos nas áreas das ciências humanas e teológicas. Depois que o relatório foi concluído fez o pedido de reabilitação. Nesse pacote de documentos, mais de 700 cartas ligadas ao Pe. Cícero foram entregues.

POLÊMICA

"A Santa Sé não vetou nada. É a própria Diocese que encaminha os processos"
Padre Paulo Lemos
Administrador do Santuário

"O celibato também foi discutido. Se fosse somente a revisão, talvez não houvesse o veto da CNBB"
José Roberto Celestino
Presidente da CDL de Juazeiro

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter

Mais informações:
Secretaria da Igreja Matriz, Rua Padre Cícero, 147, Juazeiro do Norte, (88) 3511.2202
Secretaria de Turismo e Romaria (88) 3511. 4040
Postar um comentário