sábado, 14 de junho de 2008

Matuto

Sou matuto sim senhor
Mermo assim vivo contente
Embrenhado aqui no mato
Meus costumes é diferente
Dos costumes da cidade
Onde sobra falsidade
E farta coisa descente.

Cá no manto onde moro
Longe da modernidade,
Tudo aqui é muito simples
Num existe vaidade.
O meu mundo é modesto
O meu viver bem discreto
Diferente da cidade.

Num tenho televisão
Nem o tar computador
Só tenho um rádio de pilha
Que o meu pai me deixou
Uma viola afinada
Uma foice e uma inchada
Que é a caneta do lavrador

Um facão enferrujado
Um machado e uma roçadeira
Um borná feito de couro
Uma espingarda socadeira
Um jumentinho troteiro
E meu cachorro trigueiro
Que me acompanha a vida inteira.

Esta é minha herança
Tesouro de minha vida
Mas minha maior riqueza
Minha jóia preferida
É ver meus fios contente
Do mermo modo igualmente
A minha muié querida.



Francis Gomes
Postar um comentário