segunda-feira, 27 de julho de 2009

O CASAMENTO DAS FÉRIAS




Quem andou realizando casamento nestas férias de julho, na nossa cidade de farias brito, foram: JOSE JUNIOR ( 20 anos ) e VERA LÚCIA ( 16 anos).
Êle filho de José Roberto e Maria Ferreira Nogueira.
Ela filha de Antonio e Toinha Nogueira.
Todos residentes na BR-230 ( Rua Antonio Fernandes ).
O ato foi presidida pela Juiza de Paz, Professora Liêta, e Dagoberto Moreira de Figueiredo, Oficial do Registro Civil, no Restaurante Nogueira, propriedade dos pais da noiva.

domingo, 26 de julho de 2009

VI Festival Música na Ibiapaba começa neste sábado (25)

Um dos homenageados do festival será o cantor e compositor Raimundo Fagner.

No ano em que comemora 35 anos de sucesso como cantor e compositor, o cearense Raimundo Fagner é um dos homenageados no VI Festival Música na Ibiapaba, que começa sábado, 25 de julho, e acontece até o outro sábado, 1º de agosto, em Viçosa do Ceará, cidade localizada a 384 km de Fortaleza, a uma altitude de 720 metros. É de Fagner e banda o primeiro show des@�����8ão, às 20h30 no palco da Praça da Igreja Matriz, logo após a solenidade de abertura oficial.

Além de Fagner, o festival este ano presta também homenagem a outros nomes que marcaram a música brasileira de todos os tempos: Carmen Miranda (100 anos), Ataulfo Alves (100 anos), Patativa do Assaré (100 anos), Alberto Nepomuceno (145 anos), Luiz Gonzaga (97 anos), Humberto Teixeira (92 anos), Heitor Villa-Lobos (107 anos) e Dolores Duran (79 anos).

O Festival Música na Ibiapaba, uma ação de política pública de formação do Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, voltada para o desenvolvimento e valorização da música brasileira popular. A realização é do Instituto de Arte e Cultura do Ceará – IACC/Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

Música nas salas de aula

No primeiro dia do festival começam também as oficinas, 72 no total, que durante toda a semana atenderão cerca de 1.000 estudantes de aulas de prática de coral infanto-juvenil, sopros, acordeão, acompanhamento ao teclado e piano, violão, guitarra, contrabaixo, bateria, percussão, prática de conjunto, prática de banda de música, prática de big band, camerata de violões, orquestra de acordeões, prática de conjunto de choro, prática de conjunto de sopros, técnica vocal para o canto popular, história da MPB, história do jazz, harmonia funcional moderna, leitura musical, leitura rítmica, improvisação na música popular, introdução à composição, arranjo instrumental, transcrição e instrumentação para banda e grupos musicais, regência e metodologia aplicada ao ensino de música nas bandas, musicalização infantil, cortejos brincantes, entre outras.

Para ministrar as oficinas foram convidados professores e músicos profissionais com larga experiência em suas respectivas áreas, sendo alguns do Ceará e outros convidados de instituições e grupos musicais de outros estados. As oficinas acontecerão diariamente, pela manhã e à tarde.

Música nos palcos

No fim de tarde começam as apresentações artísticas, onde alunos, mestres e artistas convidados interpretam a céu aberto as mais belas harmonias da nossa música, vivenciando um rico intercâmbio e presenteando toda a cidade com uma semana inteira de arte através da música. As apresentações acontecem nos palcos da Praça da Igreja da Matriz, da Igreja do Céu, no interior da Matriz e no Pátio do Patronato.

No palco da Igreja do Céu, ponto mais alto da cidade, a 900 metros de altitude, a programação se encerra todas as noites a partir do segundo dia. Entre os convidados para os shows, se apresentam as bandas cearenses Groovytown, que tem conquistado um público cada vez maior com uma mistura de samba-rock, funk e soul em repertório próprio e de grandes nomes como Jorge Ben Jor, Tim Maia, Seu Jorge e Wilson Simonal; banda Dona Zefinha, que mistura música, teatro e dança a partir de elementos sonoros, cênicos e coreográficos; e a cantora Paula Tesser, uma das mais belas vozes do Ceará, que sobe ao palco do Festival acompanhada de banda.

O Festival recebe este ano dois grupos cariocas de reconhecida e longa carreira na música instrumental. Um deles é o SambaJazz Trio, formado por Kiko Continentino, Neguinho e Luis Alves. O outro é o Cama de Gato, formado por Pascoal Meirellles, Mauro Senise, Mingo Araújo, André Neiva e Jota Moraes. O grupo comemora este ano 25 anos de formação, sendo o segundo mais antigo grupo de música instrumental do país.

O cinema também faz parte da programação. Diariamente, no fim de tarde, o Teatro D. Pedro II abriga a sessão de Música no Cinema, onde este ano serão exibidos vídeos sobre Fagner, Hermeto Pascoal, Dorival Caymmi, Toquinho, João Donato, Jacob do Bandolim e sobre chorinho.

O VI Festival Música na Ibiapaba tem como parceiros Semace, Detran-CE, Banco do Nordeste, Café Santa Clara, Desafinado, Colorgraf, Rede Ibiapaba de Turismo (Ritur), Sebrae-CE, Cagece, Prefeitura Municipal de Sobral e Prefeitura Municipal de Viçosa do Ceará.

As apresentações

A música do Festival acontece também fora das salas de aula. Ela chega aos palcos da Praça da Igreja da Matriz, da Igreja do Céu, ao interior da Matriz e ao Pátio do Patronato, em apresentações de alunos das oficinas, professores e shows de grupos convidados, promovendo a inserção do Festival com a comunidade da Ibiapaba. A programação de shows começa logo após a solenidade de abertura, na noite do dia 25, com Raimundo Fagner e Banda no palco da Praça da Matriz.

No palco da Igreja do Céu, ponto mais alto da cidade, a 900 metros de altitude, a programação se encerra todas as noites a partir do segundo dia. Entre os convidados para os shows, se apresentam as bandas cearenses Groovytown, que tem conquistado um público cada vez maior com uma mistura de samba-rock, funk e soul em repertório próprio e de grandes nomes como Jorge Ben Jor, Tim Maia, Seu Jorge e Wilson Simonal; banda Dona Zefinha, que mistura música, teatro e dança a partir de elementos sonoros, cênicos e coreográficos; e a cantora Paula Tesser, uma das mais belas vozes do Ceará, que sobe ao palco do Festival acompanhada de banda. Do Rio de Janeiro vêm os grupos instrumentais Trio SambaJazz, formado por Kiko Continentino, Neguinho e Luis Alves; e Cama de Gato, de Pascoal Meirellles, Mauro Senise, Mingo Araújo, André Neiva e Jota Moraes, que chega aos 25 anos de formação, sendo o segundo mais antigo grupo de música instrumental do país.

O cinema também faz parte da programação. Diariamente, no fim de tarde, o Teatro D. Pedro II abriga a sessão de Música no Cinema, onde este ano serão exibidos vídeos sobre Fagner, Hermeto Pascoal, Dorival Caymmi, Toquinho, João Donato, Jacob do Bandolim e sobre chorinho.

Homenagens

Este ano o Festival presta homenagem a nove personalidades da música brasileira, oito deles passaram pela vida mas firmaram seus nomes e suas artes na história: Carmen Miranda (100 anos), Ataulfo Alves (100 anos), Patativa do Assaré (100 anos), Alberto Nepomuceno (145 anos), Luiz Gonzaga (97 anos), Humberto Teixeira (92 anos), Heitor Villa-Lobos (107 anos) e Dolores Duran (79 anos). A homenagem nesta edição vai também para o cearense Raimundo Fagner, que faz show na noite de abertura do Festival. Este ano o artista comemora 60 anos de idade e 35 de sucesso como cantor e compositor.

Serviço:

VI Festival Música na Ibiapaba – De 25 de julho a 1º de agosto em Viçosa do Ceará. Informações sobre Viçosa do Ceará – Secretaria da Cidade: (88)3632-1580. Informações sobre o Festival - Instituto de Arte e Cultura do Ceará: (85) 3488-8601. E-mail: presidencia@dragaodomar.org.br.

Dia 25.Jul – Sábado

Palco da Praça da Igreja da Matriz
20h - Solenidade Oficial de Abertura do VI Festival
20h30min – Show Raimundo Fagner e Banda

Dia 26.Jul – Domingo

Teatro D. Pedro II
17h – Música no Cinema – “Fagner ao Vivo”
Coreto da Praça da Matriz
17h30min – Geovane e Leonardo (Viçosa do Ceará)
Igreja da Matriz
18h15min – Quinteto de Sopros Alberto Nepomuceno (CE)
Palco da Praça da Igreja da Matriz
19h – Banda de Música Maestro José Pedro de Alcântara de Sobral (CE)
Palco da Igreja do Céu
20h – “Roda de Som” - Educandos do VI Festival
21h30min – Sambas e Canções de Dores Duran – Show Paula Tesser e Banda (CE)

Dia 27.Jul – 2ª Feira

Teatro D. Pedro II
17h – Música no Cinema – Hermeto Pascoal - “Ato de Criação”
Coreto da Praça da Matriz
17h30min – Choro e Jazz (Viçosa do Ceará)
Igreja da Matriz
18h15min – Quarteto de Trombones do Ceará
Palco da Praça da Igreja da Matriz
19h – Banda Municipal de Guaraciaba do Norte (CE)
19h30min – Banda Municipal de São Benedito (CE)
Palco da Igreja do Céu
20h – “Roda de Som” - Educandos do VI Festival
21h30min – Instrumental Trio SambaJazz – Kiko Continentino, Neguinho e Luis Alves (RJ)

Dia 28.Jul – 3ª Feira

Teatro D. Pedro II
17h – Música no Cinema – “Brasileirinho – Grandes Encontros do Choro Contemporâneo”
Coreto da Praça da Matriz
17h30min – Saxosa (Viçosa do Ceará)
Pátio do Patronato
18h – Aula Show – Dolores Duran – Educadores do VI Festival
Palco da Praça da Igreja da Matriz
18h – Coral da SEPLAG (CE)
18h30min – Banda Dr. Edvaldo Coelho Moita de Tianguá (CE)
19h – Orquestra Ibiapaba de Carnaubal (CE)
Palco da Igreja do Céu
20h – “Roda de Som” - Educandos do VI Festival
21h30min – Groovytown (CE)

Dia 29.Jul – 4ª Feira

Teatro D. Pedro II
17h – Música no Cinema – ”Para Caymmi – De Nana, Dori e Danilo – 90 anos”
Coreto da Praça da Matriz
17h30min – Pé de Serra (Viçosa do Ceará)
Pátio do Patronato
18h – Aula Show – Luis Gonzaga e Humberto Teixeira – Educadores do VI Festival
Palco da Praça da Igreja da Matriz
18h15min – Orquestra Municipal de Viçosa do Ceará
Palco da Igreja do Céu
20h – “Roda de Som” - Educandos do VI Festival
21h30min – Instrumental Grupo Cama de Gato – Pascoal Meirelles, Mauro Senise, Mingo Araújo, André Neiva e Jota Moraes (RJ)

Dia 30.Jul – 5ª Feira

Teatro D. Pedro II
17h – Música no Cinema – “Toquinho – Tributo à Bossa Nova”
Coreto da Praça da Matriz
18h – Big Band (Viçosa do Ceará)
Palco da Praça da Igreja da Matriz
18h30min – Banda Emoção de Ibiapina (CE)
19h – Grupo Pé de Samba de Ubajara (CE)
Palco da Igreja do Céu
20h30min – “Encontro dos Mestres” – Educadores do VI Festival

Dia 31.Jul – 6ª Feira

Igreja da Matriz
15 às 18h – Mostra das Oficinas – Educandos do VI Festival
Teatro D. Pedro II
17h – Música no Cinema – “João Donato – Donatural”
Coreto da Praça da Matriz
18h – Homem Banda – Willian Rodrigues (Viçosa do Ceará)
Palco da Praça da Igreja da Matriz
18h30min – Banda de Música Municipal de Croata (CE)
19h30min – Saxteto de Ipú (CE)
Palco da Igreja do Céu
20h – Mostra das Oficinas – Educandos do VI Festival
21h30min – “Zefinha vai a Feira” – Banda D. Zefinha (CE)

Dia 01.Ago – Sábado

Igreja da Matriz
15 às 18h – Mostra das Oficinas – Educandos do VI Festival
Teatro D. Pedro II
17h – Música no Cinema – “Ao Jacob, Seus Bandolins, Suas Músicas e Seus Intérpretes”
Palco da Praça da Igreja da Matriz
18h15min – Show Paizinha Miranda (Viçosa do Ceará)
Palco da Igreja do Céu
20h – Solenidade Oficial de Encerramento do VI Festival
20h30min - Mostra das Oficinas – Educandos do VI Festival
23h – Festa no Céu com DJ

Assessoria de Imprensa da DÉGAGÉ:

Sônia Lage e Eugênia Nogueira (3252.5401 e 8853.4444 (Dégagé) / 9989.5876 (Sônia)
degage@degage.com.br / www.degage.com.br)

sexta-feira, 24 de julho de 2009

O Neguinho e os amigos de 68. por Urariano Mota

Publicada em:22/07/2009 - direto da redação

O NEGUINHO E OS AMIGOS DE 68
Recife (PE) - Na imprensa ele ganhou, nos últimos dias, muitos e vários codinomes. Em todos os canais de tevê, em mais de um jornal do Brasil e do exterior, ele apareceu como o Último Exilado da Ditadura que volta ao Brasil, ou Último Exilado que volta depois de 40 anos, ou mesmo “Vuelve el último clandestino”. E disseram, em mais de uma língua e veículo: "Após 40 anos de exílio na Suécia, chegou ao Rio nesta terça (21), recebido por amigos e familiares com faixas e cartazes, o ex-marinheiro Antonio Geraldo da Costa , de 75 anos, último exilado da ditadura militar. 'Neguinho-tigre', como era conhecido, é ex-integrante da Associação de Marinheiros em 1964, realizou ações da Aliança Libertadora Nacional (ALN), grupo armado de Carlos Marighella, e fugiu para a Suécia na década de 70. Só pediu anistia em 2005, mas temia voltar ao Brasil, porque não acreditava na democracia brasileira... " "Neguinho vivió seis años en la clandestinidad, después del golpe militar, cuando participó de asaltos a bancos en Rio y en San Pablo para financiar la lucha armada, y huyó de Brasil en 1970.. " Mas o que a grande imprensa não sabe é que o Neguinho, o senhor Antonio Geraldo da Costa, é um personagem de tão extraordinárias aventuras que poderia aparecer em uma continuação, em um possível volume dois do Lazarilho de Tormes. Pois ele é, segundo o intelectual Léo, amigo seu de velhos tempos: “O Neguinho estava em um navio no Recife quando houve o golpe de 64. Foi preso no navio. Alguns dias depois, estava sendo levado de um lugar do navio para outro, passando pelo convés, quando começou a ser hasteada a bandeira. Todos os marinheiros se perfilaram em posição de sentido. Neguinho aproveitou para descer a rampa e se embrenhou nas ruas do Recife. Clandestino, ele participou da operação que deu fuga aos marinheiros que cumpriam pena na Lemos de Brito e de diversos ‘levantamentos’ de fundos bancários para financiar a atividade revolucionária. Eu conto algumas histórias dele no livro cuja publicação estamos preparando. A viagem dele e do Elio para a Suécia é um capítulo à parte - dois nordestinos perdidos na Europa”. Guilem, um antigo combatente, que muitos chamam de Conde Cuxá, mas hoje é juiz na Suécia e poeta, conta: “Menos de dois meses depois, recebi um telefonema da Polícia Dinamarquesa, perguntando se eu me responsabilizava por três ciganos, que juravam conhecer-me. Entendi que se tratava do trio que vinha do Chile e respondi que partiria em seguida para Copenhague para buscar os três. Lá chegando, dirigi-me à polícia aduaneira que imediatamente levou-me aos ‘três ciganos’. Vi-os e procurei explicar à polícia, com fartura de detalhes, que se tratava de dois brasileiros e uma chilena e que apenas estavam com as roupas um pouco amarfanhadas e cansados da viagem de navio, desde o Chile até a Itália e de trem até Copenhague, que o Neguinho e companhia não eram ciganos. Assinei um documento atestando minha responsabilidade sobre a alimentação e guarida dos três e partimos para a minha casa em Lund. Dias depois consegui bicicleta para os meus amigos e descobri que o Neguinho não sabia andar de bicicleta. Mas essa aventuras de como ensinei o Neguinho a andar de bicicleta depois eu conto”. E por fim, este é o Neguinho segundo o ex-marinheiro e escritor Pedro Viegas: “Eu não estava em casa (Vila Valqueire), quando uma menininha bateu à porta. Leda, minha mulher, atendeu. Ela disse que na pracinha (a uma quadra) tinha uma moça querendo falar com um de nós. Leda ficou intrigada, pensando: ‘se alguém, tão perto, quer falar com a gente, por que manda recado, em vez de vir até aqui’?Mas, um tanto já escolada, suspeitou que alguma coisa muito especial estaria ocorrendo. Agradeceu à menininha e depois que a criança sumiu (era início de noite) foi até o local indicado. Quem era a ‘moça’? O Neguinho!” Esse é o homem, o brasileiro que volta ao Brasil depois de 40 anos. Dele tive a sorte de saber porque participo do coletivo virtual chamado Os Amigos de 68. Virtual? Emendo: é um coletivo real, de gente capaz de ações de solidariedade que os tempos bárbaros não deixam ver. Como nessa recuperação da pátria brasileira para um exilado. Eliete, uma das mais ativas do grupo, foi à Suécia e convenceu o amigo dos tempos de exílio a voltar, pois o Brasil era democrata, que novos tempos haviam chegado. A partir daí todo o coletivo se moveu para falar ao Ministro da Justiça, para avisar à imprensa, fazendo contatos mil. O resultado está aqui, http://www.youtube.com/watch?v=0B4GFEkYIrI Fazia tempo que eu não via um filme tão bom. Ele bem podia receber o título de A Libertação de um Homem Livre. Ou este, mais simples: A Volta do Neguinho.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

A efervescência cultural nasce do povo

A Efervescência cultural nasce do povo.

Por Luiz Domingos de Luna*

Cada Cidade tem suas peculiaridades que são inerentes à formação de sua própria existência, razão de uma, ter identidade religiosa, outra / cidade estado /, outras de: uma pigmentação conservadora, ortodoxa, heterodoxa, liberais, neoliberais, libertárias (...) Enfim, este coeficiente que dá o tom da mediana do ser social no espaço tempo é resultado do processo histórico, interativo, e da cola do convívio das comunidades ao eixo central a sociedade como um todo.

Ao se fazer um paralelo histórico, na Grécia Antiga, se vê que Esparta foi uma cidade estada, enquanto, Atenas: fonte de cultura, humanismo, artes, literatura (...)

O Ativismo cultural é sempre relevante para qualquer urbe, pois é uma forma de humanização do ser humano e uma condicionante para qualificar o grau de civilidade na paisagem urbana ou não.

Porém, para o aumento do grau de concentração do ativismo cultural, se faz necessário que haja uma aptidão social ampla para tal fim, do contrário, tudo para, ou emperra, em caso extremado o caniço quebra.

Não existindo um fomento da sociedade a educação, a cultura, a arte, a música, a literatura (....) Teremos eventos culturais esvaziados, amorfos, gelados, artificiais, pois a função do ativista cultural não é mirar o sensacional, o oportuno para seu ego, ou algo semelhante, mas sim, ser, no máximo, porta voz, ou mesmo condutor de algo que existe de fato e de direito na amplitude do anseio maior na esfera social habitável.

Na ausência desta clarividência no seio social é momento oportuno para um estudo sobre o que caracteriza a identidade da sociedade, investindo para que cada urbe possa naturalmente caminhar com suas próprias pernas na condução da argamassa viva que constitui este teor de concentração apta a todos.

Abrir perspectivas contidas no consciente coletivo para a coesão da unidade social, tão necessária, para a harmonia do conjunto humano no habitat em que vive; é um imperativo Já, para todos que se deleitam, sobre a arte cara, e um tão renovável quanto a existência do homo sapiens na bola – Ainda azulada – Planeta Terra.

( * ) Procurar na web

terça-feira, 21 de julho de 2009

Encerra-se na sexta-feira, 24, prazo para inscrição no Programa BNB de Cultura 2010 - Parceria BNDES

FORTALEZA, 22.07.2009 - Encerra-se nesta sexta-feira, 24, o prazo para inscrições de preojtos no Programa BNB de Cultura - Edição 2010 - Parceria BNDES. O Programa é uma linha de patrocínio cultural direto do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), com a parceria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com dotação orçamentária de R$ 6 milhões, para apoio à produção e difusão da cultura do Nordeste e Norte de Minas Gerais e do Espírito Santo (área de atuação do BNB), mediante seleção pública de projetos.

O edital contendo o regulamento do Programa e os respectivos formulários eletrônicos para inscrição de projetos, bem como as instruções para preenchimento e o modelo de relatório para prestação de contas, estão disponíveis no portal do BNB (www.bnb.gov.br <http://www.bnb.gov.br/> ).



Inscrição e habilitação de projetos

O período de inscrição dos projetos se encerra nesta sexta-feira, 24, mediante entrega de seis vias de formulário de inscrição impresso, devidamente preenchido com letra legível, digitado ou datilografado, assinado por responsável pelo projeto, e acompanhado de seis cópias de cada anexo indicado no formulário.

A entrega dos projetos deverá ser feita nos seguintes locais: projetos oriundos do Ceará, nos Centros Culturais BNB-Fortaleza e Cariri; projetos originários dos demais Estados situados na área de atuação do BNB (Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe, Norte de Minas Gerais e do Espírito Santo, nas sedes das superintendências estaduais do BNB); na Paraíba, as propostas também poderão ser entregues no Centro Cultural BNB-Sousa; por sua vez, os projetos de Estados localizados fora da área de atuação do BNB deverão ser enviados para o Centro Cultural BNB-Fortaleza.

De segunda a sexta-feira, no período de 10 às 16 horas, a entrega dos projetos deverá ser feita nesses locais, ou então pelo correio, com remessa para esses mesmos locais, como correspondência registrada com Aviso de Recebimento - AR (considerada a data de postagem), em envelope devidamente identificado.

No período de 27 de julho a 17 de agosto, todos os projetos inscritos passarão por uma análise técnica, objetivando a habilitação para a fase de seleção. Serão considerados desabilitados os projetos que apresentarem inconsistências e não atenderem às exigências previstas no edital.



Parceria destina R$ 6 milhões para cultura em 2010

Juntos, BNB e BNDES destinarão, no próximo ano, o montante de R$ 6 milhões para projetos a serem selecionados nas seguintes áreas: música (com dotação de R$ 1,25 milhão), literatura (R$ 800 mil), artes cênicas (R$ 1,1 milhão), artes visuais (R$ 800 mil), audiovisual (R$ 800 mil) e artes integradas ou não-específicas (R$ 1,25 milhão).

Serão contemplados pelo menos 225 projetos - sendo, no mínimo, 49 de música, 30 de literatura, 46 de artes cênicas, 33 de artes visuais, 18 de audiovisual e 49 de artes integradas ou não-específicas.

O apoio ao Programa BNB de Cultura atende à diretriz adotada pelo BNDES de promover a descentralização territorial da oferta de bens culturais, aproveitando a maior capilaridade do Programa no apoio a projetos culturais no Nordeste e demais áreas de atuação do BNB.

A parceria BNB/BNDES contribuirá para a ampliação dessa possibilidade de concretização de ações pensadas pelos protagonistas da cultura, situados nos mais diversos municípios da área de atuação do BNB, principalmente naqueles menos providos de atividades culturais.

Existente desde 2005, o Programa BNB de Cultura, que em 2010 contará com o apoio do BNDES, já patrocinou 873 projetos nas cinco edições anuais anteriores, beneficiando diretamente 437 municípios, no valor total de R$ 13,5 milhões.



Divulgação do resultado em 30 de outubro

O BNB e o BNDES garantem que, no mínimo, 50% do total dos recursos (ou seja, pelo menos R$ 3 milhões, em 2010) desse programa de patrocínio cultural direto serão destinados para projetos cujas ações sejam realizadas em municípios com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) abaixo da média do Nordeste (equivalente a 0,719) e/ou Índice de Exclusão Social (IES) acima da média do Nordeste (igual a 36,07).

Os dois Bancos também asseguram que pelo menos 25% do total dos recursos (isto é, no mínimo R$ 1,5 milhão, em 2010) serão carreados para projetos cujas ações sejam realizadas em municípios incluídos no Programa Territórios da Cidadania, do Governo Federal, cujo objetivo é levar o crescimento econômico e universalizar os programas básicos de cidadania. Na área de atuação do BNB, são identificados 34 Territórios da Cidadania, englobando 586 municípios, sendo 337 inseridos na região semi-árida.

E, no mínimo, 50% do total dos recursos (ou seja, pelo menos R$ 3 milhões, em 2010) serão destinados a proponentes pessoa jurídica, sem fins lucrativos.

A meta das duas instituições é realizar, até 30 de outubro deste ano, todo o processo de seleção da edição 2010 do Programa, compreendendo as seguintes fases: realização de 44 oficinas de elaboração de projetos em todos os 11 estados da área de atuação do Banco (em junho e julho), período de inscrições (29 de junho a 24 de julho), divulgação da lista de projetos habilitadas para o processo de seleção (17 de agosto), análise dos projetos (24 de agosto a 30 de setembro) e divulgação do resultado das propostas selecionadas (30 de outubro).



Objetivos, critérios e análise dos projetos

São objetivos do Programa BNB de Cultura - Parceria BNDES: investir recursos financeiros do BNB e do BNDES, disponíveis para a cultura, em atividades de interesse da Região Nordeste e norte dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo (área de atuação do BNB); promover a democracia cultural mediante a participação da comunidade na produção e/ou fruição das ações culturais apoiadas pelo BNB e BNDES; promover e proteger a diversidade de expressões culturais da Região Nordeste e norte dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo; apoiar prioritariamente a realização de projetos culturais que estão fora da evidência do mercado e que contemplem a cultura do Nordeste e do norte dos Estados de Minas Gerais e do Espírito Santo; promover a realização de projetos culturais nos municípios da área de atuação do BNB menos providos de atividades relacionadas à cultura; consolidar a imagem do BNB e do BNDES como empresas socialmente responsáveis, atuando no processo de patrocínio cultural de forma profissional e ética, visando ao desenvolvimento sustentável da cultura do Nordeste e do norte dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Para a seleção dos projetos culturais, serão considerados os seguintes critérios: qualidade técnica e/ou artística; atendimento de interesse da comunidade; ações e investimentos dos recursos financeiros voltados prioritariamente para municípios da área de atuação do BNB (região Nordeste e norte dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo), menos providos de atividades culturais; formação ou aperfeiçoamento profissional; viabilidade físico-financeira; condições de sustentabilidade; ineditismo da proposta; e potencialidade de consolidação da imagem do BNB e do BNDES junto à sociedade.

Os projetos serão analisados por comissão julgadora composta por 30 avaliadores representantes de todos os Estados onde o BNB atua. Serão formadas seis comissões avaliadoras, uma para cada área do Edital (música, literatura, artes cênicas, artes visuais, audiovisual e artes integradas ou não-específicas). Cada comissão terá cinco avaliadores externos, representantes de Estados diferentes.



Contrapartidas e prestação de contas

Todos os projetos culturais selecionados deverão oferecer ao BNB, no mínimo, as seguintes contrapartidas: inclusão das logomarcas institucionais do BNB, do BNDES e do Governo Federal, além de outros produtos/serviços associados, a critério exclusivo do Banco, em todos os projetos gerados e peças de divulgação e de distribuição; inclusão das logomarcas institucionais do BNB, do BNDES e do Governo Federal, além de outros produtos/serviços associados, a critério exclusivo do BNB, em espaços onde serão realizados os eventos; citação verbal do patrocínio do BNB e do BNDES em todas as entrevistas concedidas à imprensa sobre o projeto; doação de 20% de qualquer produto gerado pelo projeto (livro, disco, CD, DVD, catálogo, ingressos etc.), para uso a critério do BNB e do BNDES, no caso de patrocínio exclusivo (no caso de patrocínio parcial, esse percentual será proporcional ao valor investido pelo Programa); disponibilidade para participar de eventos nos Centros Culturais do BNB, sobre o projeto contemplado no Programa BNB de Cultura - Parceria BNDES, quando convidado (neste caso, o BNB será responsável pelas despesas para realização do evento, exclusive pagamento de cachês).

Todos os projetos contemplados deverão apresentar relatório final, no máximo em um período de 30 dias após a conclusão de todas as fases, contendo as seguintes informações: detalhamento das despesas realizadas; público atingido, classificado quantitativa e qualitativamente; número de profissionais envolvidos e funções desempenhadas; reprodução de todas as peças de divulgação, promoção e distribuição; e cópias das matérias publicadas nas mídias impressa (jornais e revistas) e eletrônica (rádio, televisão e internet).





ENTREVISTAS E INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

*        Henilton Menezes (gerente do Ambiente de Gestão da Cultura do BNB) - (85) 3464.3109 / 8635.6064 - henilton@bnb.gov.br

*        Gerência de Imprensa do BNDES - (21) 2172.7294 - imprensa@bndes.gov.br

*        Mário Nogueira (coordenador do Programa BNB de Cultura - Parceria BNDES) - (85) 3464.3182 / 8830.1110 - amariobn@bnb.gov.br

*        Luciano Sá (assessor de imprensa do Centro Cultural Banco do Nordeste) - (85) 3464.3196 / 8736.9232 - lucianoms@bnb.gov.br


segunda-feira, 20 de julho de 2009

VI Festival Música na Ibiapaba (CE) acontece de 25 de julho a 1º de agosto

Pela sexta vez Viçosa do Ceará, na serra da Ibiapaba, vai se transformar em uma verdadeira cidade da música. Durante oito dias, de 25 de julho a 1º de agosto, jovens estudantes de música, instrumentistas, cantores profissionais e apreciadores da boa música brasileira vão conviver com essa arte por toda a cidade. É o VI Festival Música na Ibiapaba, uma ação de política pública de formação do Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, voltada para o desenvolvimento e valorização da música brasileira popular. A realização é do Instituto de Arte e Cultura do Ceará - IACC/Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

O Festival é um encontro da música com a natureza da bela região serrana do Ceará. A cidade de Viçosa localiza-se a 384 km de Fortaleza, a uma altitude de 720 metros, proporcionando um clima agradável que encanta moradores e visitantes. Tudo isso unido à música faz do Festival uma celebração que transformará a cidade em um laboratório vivo para as vozes e instrumentos veiculadores dessa arte universal. Este é o primeiro projeto do Norte e Nordeste centrado na formação em música popular brasileira e que mantém uma intensa programação artístico-pedagógica gratuita.

Pela manhã e à tarde, cerca de 1.000 alunos participam de 72 oficinas, ministradas por professores e músicos do Ceará e convidados de outros estados. São aulas de violão, piano, bateria, prática de conjunto, orquestra de acordeãos e percussão, sopro, técnica vocal, harmonia, arranjo, regência, nos níveis médio e avançado.

No fim de tarde começam as apresentações artísticas, onde alunos, mestres e artistas convidados interpretam a céu aberto as mais belas harmonias da nossa música, vivenciando um rico intercâmbio e presenteando toda a cidade com uma semana inteira de arte através da música.

Oficinas

As oficinas promovidas durante o VI Festival Música na Ibiapaba se dividem em núcleos pedagógicos: Musicalização (atividades de iniciação do público infanto-juvenil no universo musical vocal e instrumental); Vocal (atividades visando ao desenvolvimento e aperfeiçoamento de alunos voltados para a música vocal em suas diferentes manifestações, tais como canto solo, canto coral, grupo vocal, expressão cênica para canto e regência); Instrumental (atividades visando ao desenvolvimento e aperfeiçoamento de alunos voltados para a música instrumental, envolvendo desde o estudo solo às mais variadas formações, a exemplo de pequenos e médios grupos e orquestras); Estruturação e História (conjunto de atividades didáticas de cunho mais teórico, em seus mais diferentes níveis - do básico ao mais avançado -, de natureza formativo-informativa como condição básica e necessária para o fazer musical); e Didática Musical (conjunto de atividades especialmente voltadas para professores de música e arte-educadores, visando subsidiar suas práticas de educação musical). Há ainda o núcleo de Projetos Especiais, que compreende atividades com interação com outras linguagens artísticas.

As apresentações

A música do Festival acontece também fora das salas de aula. Ela chega aos palcos da Praça da Igreja da Matriz, da Igreja do Céu, ao interior da Matriz e ao Pátio do Patronato, em apresentações de alunos das oficinas, professores e shows de grupos convidados, promovendo a inserção do Festival com a comunidade da Ibiapaba. A programação de shows começa logo após a solenidade de abertura, na noite do dia 25, com Raimundo Fagner e Banda no palco da Praça da Matriz.

No palco da Igreja do Céu, ponto mais alto da cidade, a 900 metros de altitude, a programação se encerra todas as noites a partir do segundo dia. Entre os convidados para os shows, se apresentam as bandas cearenses Groovytown, que tem conquistado um público cada vez maior com uma mistura de samba-rock, funk e soul em repertório próprio e de grandes nomes como Jorge Ben Jor, Tim Maia, Seu Jorge e Wilson Simonal; banda Dona Zefinha, que mistura música, teatro e dança a partir de elementos sonoros, cênicos e coreográficos; e a cantora Paula Tesser, uma das mais belas vozes do Ceará, que sobe ao palco do Festival acompanhada de banda. Do Rio de Janeiro vêm os grupos instrumentais Trio SambaJazz, formado por Kiko Continentino, Neguinho e Luis Alves; e Cama de Gato, de Pascoal Meirellles, Mauro Senise, Mingo Araújo, André Neiva e Jota Moraes, que chega aos 25 anos de formação, sendo o segundo mais antigo grupo de música instrumental do país.

O cinema também faz parte da programação. Diariamente, no fim de tarde, o Teatro D. Pedro II abriga a sessão de Música no Cinema, onde este ano serão exibidos vídeos sobre Fagner, Hermeto Pascoal, Dorival Caymmi, Toquinho, João Donato, Jacob do Bandolim e sobre chorinho.

Homenagens

Este ano o Festival presta homenagem a nove personalidades da música brasileira, oito deles passaram pela vida mas firmaram seus nomes e suas artes na história: Carmen Miranda (100 anos), Ataulfo Alves (100 anos), Patativa do Assaré (100 anos), Alberto Nepomuceno (145 anos), Luiz Gonzaga (97 anos), Humberto Teixeira (92 anos), Heitor Villa-Lobos (107 anos) e Dolores Duran (79 anos).  A homenagem nesta edição vai também para o cearense Raimundo Fagner, que faz show na noite de abertura do Festival. Este ano o artista comemora 60 anos de idade e 35 de sucesso como cantor e compositor.

Antes do Festival

Este ano, na semana antecedente ao Festival, de 20 a 23 de julho, acontecem oficinas de iniciação musical (Casulinhos) nas cidades do Maciço da Ibiapaba - Ipu, Guaraciaba do Norte, Carnaubal, Croata, São Benedito, Ibiapina, Tianguá, Ubajara e Viçosa do Ceará. Nas nove cidades as oficinas serão ministradas por professores da escola de música de Sobral, numa ação de intercâmbio e oportunidades para esses educadores. Esta atividade formativa ação do Festival em parceria com Ministério da Cultura e prefeituras municipais, que levam o resultado dessas oficinas para dentro do VI Festival.

O VI Festival Música na Ibiapaba tem como parceiros SEMACE, DETRAN-CE, BANCO DO NORDESTE, Café Santa Clara, Desafinado, Colorgraf, Rede Ibiapaba de Turismo (RITUR), SEBRAE-CE, CAGECE, Prefeitura Municipal de Sobral e Prefeitura Municipal de Viçosa do Ceará.

SERVIÇO

VI Festival Música na Ibiapaba - De 25 de julho a 1º de agosto em Viçosa do Ceará. Informações sobre Viçosa do Ceará - Secretaria da Cidade: (88)3632-1580. Informações sobre o Festival - Instituto de Arte e Cultura do Ceará: (85) 3488-8601. E-mail: presidencia@dragaodomar.org.br.


SUGESTÃO DE ENTREVISTAS:

DIREÇÃO GERAL

Maninha Morais - Presidente do Instituto de Arte e Cultura do Ceará - IACC/Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

Ivoncleiton Eduardo Gomes - Secretário da Cidade de Viçosa do Ceará e presidente da Rede de Turismo da Ibiapaba - RITUR

Eduardo Fidelis - Coordenador do Sistema Estadual de Bandas de Música do Ceará


COORDENAÇÃO ARTÍSTICO-PEDAGÓGICA

Almir do Vale (CE) - Bacharel em música (clarinete) UFPB, pós-graduado em metodologia do ensino superior UFAC, mestrando em música pela Campbellsville University e mestre em música pela Escola de Instrução Especializada do Exército Brasileiro - RJ. Atua como professor desde 1992. Atualmente é integrante do quinteto de sopro Alberto Nepomuceno Fortaleza-CE e mestre de música da BANDA da 10ª RM.

Angelita Ribeiro (CE) - Graduada em Música pela UECE e formada em flauta-doce pelo Conservatório de Música Alberto Nepomuceno. Cursou ainda Pedagogia na UFC, flauta transversal e piano. Fez inúmeros cursos de extensão na área de Educação Musical, Regência, Harmonia e Flauta-Doce. Recentemente, fez curso de Educação Musical pelo método J.J. Dalcroze na Longy School of Music, Massachussets, USA. Diretora da Escola de Música Angelita Ribeiro, coordenadora e flautista do Grupo Ad Libitum e professora no Projeto Musical Vila do Meio (Associação Madre Paulina). Diretora administrativa da Associação dos Amigos do Piano do Ceará - Ápice.

Lucile Horn (CE) - Bacharel em Instrumento - Piano - UECE, com especialização em Musicoterapia pelo Conservatório Brasileiro de Música (RJ). Atualmente cursa o Master of Arts pela Campbellsville University, Kentuky. Professora do Curso Técnico em Música e regente do Coral do CEFET. Rege os corais do SEBRAE e M.D.B. em Fortaleza (CE).

 20/Julho/2009


Assessoria de Imprensa: DÉGAGÉ


Jornalistas Responsáveis: Sônia Lage e Eugênia Nogueira


Tel: (85) 3252.5401 e 8853.4444 (Dégagé) / 9989.5876 (Sônia)


degage@degage.com.br / www.degage.com.br <http://www.degage.com.br/>


--
DÉGAGÉ
www.degage.com.br
(85) 3252-5401


O Cariri não é terreiro

O Cariri não é terreiro

Luiz Domingos de Luna*

Quem retornar ao cariri cearense após um longo período de ausência, verifica que a região deu um salto de crescimento afirmativo em todo o seu tecido geográfico, permeando em toda conjuntura um progresso notável, desde o menor ponto etnográfico ao maior. Esta força acelerativa é uma constante na história deste berço sul cearense que pulsa vivo e vibrante no estado do Ceará.

Porém, esta visão positiva, geralmente, é privilegio dos que aqui retornam. Por que esta realidade não é naturalizada no seio da região do cariri ? O Caririense é norteado em referencial, vive no referencial, em torno dele, em função dele; assim, automaticamente, se forma no consciente coletivo uma força gravitacional forte, tão intensa que faz surgir uma nova galáxia, onde ao redor do referencial giram todas as urbes, e, todo processo de desenvolvimento, enfim, o mesmo, passa a ser um sol e os demais pontos iluminados que precisam da luz deste sol.

Esta realidade hipnótica naturalizada no seio da sociedade caririense é um vácuo muito forte e que pode gerar o efeito das borboletas que de tanto buscarem a luz terminam em função desta, perdendo o seu poder de preservação existencial.

Creio que nós não precisamos viver, nem tão pouco criar paralelos para o nosso padrão de crescimento afirmativo, o importante é verificar a grandeza de cada urbe, a sua história, a sua trajetória no potencial de si, em relação a si mesma, afinal, nós não somos terreiro de ninguém, salvo de nós mesmos, e de nossa história que com certeza é engrandecedora e que merece todo nosso apreço, admiração e respeito.
________________________________________

(*) Professor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Monsenhor Vicente Bezerra – Aurora.
(*) Colaborador do blog farias brito
(*) Procurar na web

sábado, 18 de julho de 2009

Escolinhas de futebol infanto, infanto-juvenil de Aurora CE

 

Um projeto que já começa exitoso. É esta a constatação que se tem das primeiras atividades relacionadas ao Projeto "Esporte Cidadania" que vem sendo posto em prática a cerca de 5 meses pela Secretaria de Cultura, Turismo e ESPORTE (Seculte) do município de Aurora na região do Cariri.

O referido projeto está atendendo a pouco mais de 250 crianças em dois pólos de atuação: o 1º no bairro São Benedito(Aurora Velha – no campo Virgílio Távora – através dos monitores: Naldo Balão, Cian e Paulo Magal). O 2º no bairro Araçá( o mais populoso da cidade) através dos monitores: Luiz Mário, Charles dos Santos e o ex-atleta profissional Cristiano Bagaço). A proposta visa atender crianças do infantil ao infanto-juvenil nas modalidades de futebol de campo e Futsal com atividades esportivas e sócio-educativas. Dentre em breve, segundo o secretário da pasta, o projeto será estendido para o segmento feminino numa parceria efetiva com as escolas da rede estadual e municipal.
"A meninada está muito contente com o nosso trabalho e isso nos deixa felizes porque é justamente isso que queremos, fazer o melhor pela nossa juventude e pelo futuro do esporte de Aurora", disse o monitor Luiz Mário do pólo do Araçá. Já no bairro São Benedito, conforme o monitor Paulo Magal, " a garotada cada dia está mais exigente e o número de participantes é cada vez maior". Uma prova do sucesso que já está sendo verificado mesmo no início do projeto. Temos a perspectiva de em breve estendermos o projeto das escolinha de futebol também para os distritos da zona rural, principalmente aqueles que oferecerem demanda para sua execução, afirmou o secretário José Cícero, assim como o coordenador do núcleo de  Esportes da Seculte, Raimundo Tabosa.

Com apenas 5 meses de atuação, o projeto das escolinhas de futebol já se constitui como sinônimo de suceso absoluto em Aurora.

Na última quinta-feira, dia 16, uma partida festiva envolveu a seleção da escolinha da Aurora Velha versus a do Araçá num ato de puro congraçamento entre os atletas mirins aurorenses. Sempre que possível, em datas específicas ataremos realizando jogos como este, sem a noção competitiva, mas sobretudo para aumentarmos ainda mais o espírito de camaradagem e interatividades entre a garotada dos diversos pólos do nosso projeto, enfatizou o secretário. A partida desta quinta-feira ocorrida no estádio Romãozão apresentou o placar de 2 x 2. O que bem assinalou a festa que foi o ato de confraternização dos atletas mirins da Seculte.

Convite Exposição Ofélia Torres


Benjamim Abraão e sua importãncia para o cangaço lampiônico

Por José Cícero
Benjamim Abraão Botto – A priori um mascate modesto, desconhecido como tantos outros, mas que se fez grande não por seu trabalho de vendeiro viajante, porém por ter registrado para a história as célebres imagens de Virgulino, Lampião, o rei do Cangaço e o seu bando em plena caatinga dos nossos sertões entre 1935-36.
Diria que a figura deste retratista-cineasta foi de uma importância singular, tanto quanto, a do próprio Lampião para que a contemporaneidade pudesse agora desfrutar das imagens raras de uma gente que com seu modo de vida inédito ajudou a escrever com sangue, luta e sofrimento o mais legítimo fenômeno social do Nordeste brasileiro. A sua empreitada em filmar Lampião e os seus cangaceiros em plena atividade, foi por assim dizer, um verdadeiro insight por meio do qual este  fato sociológico pudesse enfim ser imortalizado. Foi este o peso da decisão, da vontade e da busca incessante abraçada por Benjamim no sentido de registrar a face real de Lampião e seus asseclas nos rincões do Nordeste. Por tudo isso foi ele(o retratista), caixeiro-viajante, um homem empreendedor e de princípio, que esteve muito além do seu tempo. Qualidades que só encontramos nas figuras visionárias em momentos específicos da história planetária. Por tudo isso, sua figura deveria ser muito mais valorizada por todos quantos se dão à árdua tarefa de interpreta e reescrever a verdadeira saga de Lampião e o Cangaço. Pois foi através dele que podemos usufruir hoje do que ainda resta das imagens de Lampião. Assim, a iconografia do cangaço como um todo deve muito aos esforços deste estrangeiro que, como muitos, devotou uma grande paixão pela opção de vida e atuação de Lampião e sua gente.
Um pioneiro na arte imagética do cangaço
Numa época em que os filmes e a arte da fotografia eram coisas difíceis, portanto, só ao alcance das elites da capital, Benjamim Abrahão, se aventurou a adentrar a mata espinhenta e seca dos sertões para registrar in loco a face autêntica do cangaço. Um ato ousado e para poucos, por uma série de motivos. Abrahão teve o tino, inclusive, de procurar ajuda do empresário do ramo fotográfico Ademar Bezerra; proprietário da antes famosa ABAFILM, por sinal, uma empresa genuinamente cearense. Não fosse o ímpeto corajoso deste homem sírio-libanês, muito pouco ou quase nada saberíamos da iconografia do rei do Cangaço e, tampouco teríamos a noção real dos seus verdadeiros traços físicos e trejeitos. Tudo imortalizado pelas fotografias e outras imagens em movimento realizadas a duras penas pelo destemor do Abrahão.
O mais sírio-libanês dos brasileiros:
Chegou a Brasil no distante ano de 1915 fugindo que estava da 1ª guerra mundial e do próprio Império Otomano do seu país. Chegou pelo Recife. Virou mascate, adentrou os sertões como viajante, vendedor de tecidos e outras bugigangas do gênero, até alcançar à vila de Juazeiro do padre Cícero. Afeiçoado por todos do lugar não demorou muito para galgar a simpatia do padre. Ao ponto de tornar-se em seguida, o seu próprio secretário particular. De fala enrolada fez-se bom na escrita, assim como nos atos contínuos e outros protocolos legais. Era um exímio fazedor de amigos, talvez por isso ganhara logo a confiança do padre Cícero e por pura gravidade, de toda a romeirada.
Desde a primeira visita que Lampião e seu bando empreenderam ao Cariri, Benjamim Abrahão nutriu a imensa vontade de conhecer de perto aquele que pelo Nordeste inteiro já era uma lenda quer seja como herói e como bandido. Não foi possível em 1925 fazer uma aproximação mais efetiva com o rei do Cangaço. Ele queria muito mais. Desejava fazer uso do que fosse possível à tecnologia da sua época. Deu, assim como se diz, tempo ao tempo. Mas não se demoveu do seu objetivo primeiro: queria porque queria registrar de alguma forma aquele homem diferente, por quem os sertanejos de alguma maneira ou de outra, admirava. Ou pela sua fama de herói ou de facínora. Para ele, nada disso o importava. O que mais valia era o homem e o seu papel a ser desempenhado na história. Por esta razão, Lampião concentrava sua grandiosa atenção. Somava-se a tudo, a condição de já estar ele ao lado de uma outra lenda viva do Nordeste: um homem efetivamente do povo – o padre do Juazeiro. Desde então, não afastava a idéia de também se aproximar do rei do cangaço quem sabe por intermédio do sacerdote. Para ele, tudo não passava de uma questão de tempo. E o tempo logo não tardaria a rumar novamente ao seu favor. Isso era quase um pressentimento. Um ano se passara desde a primeira visita de Lampião à pequena vila. Logo a notícia se espalhara como fogo de broca ao sabor do vento. Lampião não tardaria a chegar de novo ao Juazeiro. Desta feita, animado que foi pelo convite do Dr. Floro Bartolomeu - braço direito do padre, que lhe concederia em nome da república, o título de "capitão" a compor as fileiras dos chamados 'batalhões patrióticos' do Governo Artur Bernardes que supostamente combateriam a Coluna Prestes – os temíveis comunistas, ateus, filhos da besta-fera, comedores de criançinhas e outras denominações cunhadas inclusive pela igreja. Depois deste fato, Lampião estivera outras vezes no Cariri, especialmente em Aurora quando da trama para a invasão malograda de Mossoró-RN; no histórico envolvimento do reio do cangaço com Massilon e o coronel Izaias Arruda em 1927. Ao que tudo indica o bando lampiônico nunca tivera este encontro com os revolucionários sob o comando do "cavaleiro da esperança". Mesmo que o rei do cangaço tenha insistido em dizer que o tivera.... Em todo caso, tal título nunca servira de verdade ao bandoleiro, que não fosse como mais uma propaganda que muito o ajudou a aumentar ainda mais a sua fama. Por onde andou e tentou fazer uso deste título, porém de nada ele representou. O confronto à bala sempre foi o cartão de visita que o esperou pelos grotões dos sete estados nordestinos que atuou, sobretudo quando não contava com seus coiteiros figadais.
Lampião, quando da sua segunda visita ao Juazeiro:
Ainda em Juazeiro, pela segunda vez, Benjamim Abrahão aproveitou deste raro momento de entusiasmo vivido por Lampião e seus cabras. A estadia do bando na vila foi um acontecimento dos mais movimentados e eufóricos. Ao passo que todo mundo do lugar queria ver de perto aquele que até então, não passava de estórias ou de ouvir falar. Mas lá estavam eles, arranchados garbosamente no sobrado da rua central. Sob a aba benfazeja do santo padre na proteção da paróquia. E não era por menos, davam viva ao povo, aos santos, ao padre Cícero e ainda por cima, afagavam o ego da criançada do lugar, jogando moedas como chuvas enviadas por Deus. Era por dizer, mais um milagre do padre, ao domar a fera lampiônica e, ainda fazê-la, boazinha, pródiga e mão-aberta para todos os pobres e ricos do vilarejo. Os céus aprovaram Lampião ao menos naquele dia em especial a compor para sempre uma página importante do cangaço.
No Juazeiro, ninguém conseguiu enxergar, a tão propalada brutalidade e ignorância do bando, como as notícias que ali chagavam, no mais das vezes, de boca em boca, reforçada pelas volantes policiais e a imprensa da capital. Não. Lampião estava com o padre, portanto, era um homem bom, um filho temente a Deus.
E Bejnamim assistia toda aquela cena extasiado, com a mente voltada para a possibilidade de um registro imagético. Algo que sobrevivesse para sempre. Algo que servisse como documento à posteridade. Aos homens do futuro. Quem sabe uma maneira de adiar qualquer forma de julgamento antecipado, preconcebido, apressado daquele fenômeno ao seu juízo, até ali, atemporal. A memória, assim como a imagem de Lampião e seus cangaceiros não podiam egoisticamente acabar ali. Perder-se no tempo e no espaço, como se a sociedade do porvir não tivesse sequer o direito de também poder de algum modo, acompanhar aquelas cenas sui generis para a uma época desregrada da história. Quando todos se centravam no presente, Abrahão tinha os olhos e pensamentos voltados pra o futuro. Quando muitos viam o cangaço pelo prisma míope do momento, simplesmente. Abrahão enxergava longe, via até a possibilidade de fazer fortuna com aqueles acontecimentos que mexiam com a própria sociologia dos sertões, os poderosos do poder e as gentes da capital. Faria ele com as imagens, melhor do que o fez Euclides com a palavra. Ele do cangaço e Lampião, este de Canudos e Conselheiro.
A aventura de Abrahão começa ali:
Teria mais sorte, porque do seu lado estava o santo do Nordeste. As façanhas assim como a história de Lampião deixariam à caatinga e ganhariam o mundo todo. O limite para seu sonho de fazer Lampião um imagem nacional não tinha fronteira. Por Lampião o seu bando e suas belas mulheres, Abrahão imaginou tornar-se grande, fazer fortuna. A saga lampiônica prometia. Era aos seus olhos um verdadeiro filão de ouro disperso e perdido na sequidão do Nordeste. Contrapondo a valentia e a miséria de um povo marcado historicamente pela passividade do silêncio, assim como pela recorrência da tragédia humana. Uma gente cuja sobrevivência naquele mundo de agruras e dificuldades já era a encarnação da própria imortalidade, da esperança, ousadia e do milagre. E Lampião com seu bando, apesar de todas as estórias, era apenas parte deles. Um joio perdido no meio do trigo que o fotógrafo libanês queria resgatar, perpetuar, vender ao além-fronteira. Mercantilizar e, quem sabe também ficar famoso. Depois, ano 2000 o filme 'Baile Perfumado', foi feito para ele, e sobre ele...
O litoral, como se via estava disposto a pagar por isso, o preço que lhe fosse cabido. Até Hollywood logo se interessaria por suas objetivas e suas fitas. Mas, não agora. Ele queria mais, milhões... Mais uma vez daria tempo ao tempo. A pressa era de fato inimiga da perfeição. De algum modo Abrahão acreditou nesta premissa como se fosse um axioma. Porém, neste caso estava errado.
Antes da morte de padre Cícero em 1934, ele conseguiria uma carta de apresentação que lhe abriria portas e certamente sedimentaria a confiança do rei do cangaço no seu projeto. De fato, isto aconteceu. Mesmo desconfiando, Lampião permitiu-se ser fotografar e filmado junto com seu bando. Mas sem antes o 'teste são tomé'. Benjamim teve que primeiro ir para a frente da geringonça. Não saiu bala. Lampião finalmente se deixou levar pela força das imagens, sobretudo em movimento. Tanto que tomou gosto pela coisa. Fez posse, ensaiou tática de guerrilha. Abriu a revista Cruzeiro, O globo. Vestiu sua roupa de gala, perfumou-se até.Fez-se intelectual, de herói, artista, galã... Um ídolo popular, diferente por quem o Nordeste faria continência ante a sua posição de capitão. Imaginara ele ante as coisas engendradas pelo retratista.
Os jornais da época estampavam imagens de Lampião, Maria Bonita, Corisco e demais cangaceiros dos sertões devido a intrepidez do fotógtrafo Bejamim. O Brasil e o mundo dali para frente conheceriam a sua história. E o rei do cangaço gostava de saber disso...
Benjamim Abraão, Lampião, o cangaço e os sertões: Início, meio e fim.
Lampião começa a virar uma figura de expressão nacional. O sertão começava a existir para as elites do litoral por força do cangaço lampiônico. Lampião começaria a gerar preocupação nas hostes políticas. Uma ameaça que a partir daquele instante não valeria apenas para os potentados da região, mas da corte litorânea em geral. Tudo isso por força das imagens que Abrahão produzira pela AbaFilm e projetara para além dos grotões da caatinga nordestina. Para isso teve que andar léguas tiranas até encontrar de novo Lampião e seu bando no oco do mundo no largo da Catarina na mata seca de Bom Nome a partir de 1929, 35 e 36.
Muito do seu trabalho foi perdido pela perseguição que sofrera da tropa de Getúlio ocasião em que apreenderam seu material. Somente nos anos 50 foi que seus filmes apreendidos, reapareceram, muito pouco pode ser recuperado. Mas, o suficiente para imortalizá-lo de vez na história do cangaço, como o homem que fez de Lampião uma figura afirmativa, requintada, heróica. Como um ator americano, europeu. Um símbolo admirável de valentia, justiceiro, um Rob Hood nordestino com pinta de galã ou de bandido a desafiar ainda mais o cetro dos palácios, assim como os salões nobres do poder e da burguesia emergente da época.
Foi Abrahão um dos primeiros a ocupar a posição de reporte fotográfico a dá o grito de que por Lampião o Nordeste esquecido pela primeira vez apareceu, nu e cru para o resto do país e para o mundo.
Esquecido, morreu tragicamente em 10 de maio de 1930 aos 40 anos; assassinado que foi por arma branca, mais de quarenta facadas na cidade de Serra Talhada no agreste Pernambucano. Uma morte que até hoje é um mistério. Vítima da ditadura, Homicídio banal ou crime passional?
Enfim, sem a presença de Benjamim Abrahão a história de Lampião e do próprio Cangaço não seria o que foi e o que é até os dias atuais.
 
___
José Cícero
Professor, escritor, pesquisador e poeta.
Aurora-CE.


Nova Estátua do pe. Cícero será inagurada em Aurora em praça pública

 
Dia 20 de julho a comunidade católica de Aurora festejará com muita louvor e alegria o ato inaugural da nova estátua do Pe. Cícero Romão Batista.
Apresentações culturais e celebração religiosa estão sendo preparadas pela Seculte, prefeitura e paróquia no sentido de homenagear em grande estilo aquele que foi escolhido o cearense do século e considerado o patriarca do Nordeste.
Na próxima segunda-feira, dia 20 a prefeitura de Aurora através da sua secretaria de Cultura realiza a inauguração da nova estátua do padre Cícero localizada no largo da praça da 'estação ferroviária'. A programação começa pela manhã às 6h com uma salva de fogos e apresentação da banda de música Senhor Menino Deus que executará hinos e benditos de louvor ao patriarca do Nordeste.
Na tarde às 15 h a programação terá continuidade com a apresentação de Forró de pé de serra no pátio do "Casarão da Seculte", sede da secretaria de Cultura nas proximidades da praça. Seguido da apresentação da Banda Cabaçal, recital de poesia e execução de benditos pelo poeta popular Cícero Cosme, o músico Alcione Pereira e o coral Jovens Unidos com Cristos(JUC), seguida da celebração de uma missa campal oficiada pelo vigário Padre Cícero Leandro.
Na ocasião será feita uma homenagem a organizadora da primeira estátua, edificada ainda em 1976 a Sra. Margarida Gonçalves Saburá. O prefeito Adailton Macedo, seu vice Antonio Landim, vereadores, secretários municipais, além de outras autoridades estarão presentes ao evento que pretende reunir cerca de 5 mil fiéis e devotos do padre cearense do século. A comunidade católica de Aurora está em festa pela importante homenagem feita ao chamado "santo popular do Nordeste".
CONVITE:
A Secretaria de Cultura em nome da Prefeitura Municipal de Aurora juntamente com a Paróquia do Senhor Menino Deus têm a honra de convidar Vossa Senhoria e ilustríssima família para participarem nesta segunda-feira, dia 20 de julho, às 19h na 'praça da estação' da Missa Campal e inauguração da nova estátua do patriarca do Nordeste: o padre Cícero Romão Batista.
Sua presença será motivo de muita alegria e contentamento ao passo que nos fortalecerá nos caminhos da fé.


Sem invenção da roda

Sem invenção da roda

Por Luiz Domingos de Luna*

A Democracia reside na alternância do poder são estes impulsos políticos, nas formas diferenciadas, que vão alimentando todas as tonalidades da sociedade, num rumar afirmativo no processo civilizatório, porém, é insensatez pensar que a cada renovação da gestão púbica tudo deve ser recomeçado, ou iniciado do ponto zero.

É muito comum a cada gestão que se inicia, uma reprovação integral da anterior, uma mudança completa, ou mesmo, uma renovação dos quadros administrativos técnicos por outros com propósitos e metas diversificadas , assim, estamos num eterno recomeço. Existe uma cultura política de que a continuidade do processo anterior é nocivo, é atraso, é copiar... Enfim é continuísmo.

Esta cultura de reprovação completa das ações públicas do antecessor é retrógrada, negativista e conspira com o bem estar da sociedade, pois os projetos que estão dando certo para a solidificação do estado democrático de direito e para o bem estar do povo brasileiro é patrimônio afirmativo da nação e nunca pode ser o legado de um partido político, de um grupo, de uma bandeira, pois qual o ideal político de todos ? Um Brasil que atenda as necessidades dos brasileiros, que trilhe sempre em dias melhores e afirmativos para todos.

É triste saber que projetos maravilhosos que estão dando certo serão colocados no lixão do esquecimento e da hipocrisia, simplesmente por pertencerem a partidos diferenciados, o que é um grande salto para trás, é uma forma apequenada de ver a política, pois, quando algo está dando certo é conseqüência do processo maior que é o sistema republicano que oportunizou a aprimoração necessária para o fim desejado.

Assim, retroagir o afirmativo, tão somente, porque tem uma afinidade maior com um determinado partido político é uma forma mesquinha e oportunista de conviver com o bem estar da sociedade brasileira, afinal, não dá para viver reinventando eternamente a roda.
______________________________________________________
* Professor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Monsenhor Vicente Bezerra – Auror-CE.
* Colaborador do blog farias brito.
* Procurar na web.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

POLITIZAÇÃO JÁ !

Politização já!

Por Luiz Domingos de Luna*

A juventude Brasileira vive num vácuo muito forte, talvez o marasmo juvenil, seja conseqüência de falta de bandeiras, de causas, de uma diretriz, um norte, uma rota, um caminho a ser seguido, pois, é comum os jovens dissolvidos numa rotina escaldante da repetição de uma rotina dura e plástica voltado apenas para o caminhar de seu próprio universo de suas atividades básicas, amorfas, geladas, enquanto o horizonte social e político a esperar a atuação da juventude no alicerce para a formação de novas lideranças, novos movimentos, novas aglutinações, mas não, tudo para. Uma parada inoportuna, cruel e totalmente lesiva para a confecção de um novo olhar social e por extensão uma visão globalizada sobre os interesses do Brasil e da América latina como um todo.

Por que a juventude brasileira está tão dispersa ? Não existe ponto de coesão no pensamento juvenil ? Esta falta de interesse com o bem estar social, político, econômico (...) é sinal de descaso ? De decepção com o quadro existencial, ou simplesmente é falta de iniciativa, de pulsar, de garra para com o futuro que, sem dúvidas para nós, otimistas, sempre foi e será promissor.

É triste saber que essa massa viva que brota no seio da sociedade não esteja preocupada com a qualificação do espaço social em todas as suas arestas, pois os movimentos parcos, quando acontecem, são sempre eventos efêmeros, sem raízes, sem a determinação do engajamento político na consolidação de uma força de coesão afirmativa.

Quando o quadro político se renova, de prontidão, a juventude a disseminar pechas sociais, raposas velhas, os mesmos de sempre e por ai vai... Ora, como mudar a situação se não existe uma consciência do jovem de que a preparação de novos talentos, seja: artísticos, culturais, políticos e sociais são fermentados dentro do próprio espaço social. O Por vir juvenil não pode e não deve ser coisificado, pois a sociedade fica sempre na busca do elo de continuidade existencial, na falta, o ciclo vicioso se repete, mas vale ressaltar que a repetição se dá devido ao vácuo existente.

Dentro deste contexto é mister afirmar que sem uma politização forte, coesa, atuante, diversificada e determinada por parte dos jovens, nós estamos sempre condenados a viver com os dogmas, a falhas, e todo entulho de uma geração que nasceu com os costumes de um passado obsoleto,viciados em limitações, em conservar um padrão ético que não existe mais, e a sociedade sempre engessada nesta camisa de força de valores cultivados em um mundo que não existe mais.

Chega de sonhar com o mundo projetado pelos nossos pais, nossos avós, nossos (...) precisamos construir já, um novo mundo, um mundo em que o jovem seja de fato e de direto o agente de transformação da sociedade no cumprimento das necessidades tão urgentes de que o Brasil Precisa e que aguarda as propostas dos jovens que nunca chegam ?

Acorda juventude, pois o tempo passa, a vida passa e não dá para viver eternamente em busca de culpados para problemas que nós mesmos contribuímos para a sua existência e nada fizemos para eliminar as causas.
________
*Colaborador do blog farias brito

sábado, 4 de julho de 2009

CHEGA DE CORONÉIS !

Chega de Coronéis !

Por Luiz Domingos de Luna


É incrível a dependência da história política brasileira dos coronéis que já estiveram no poder, (...) à sombra e conseguem sempre alianças para se manter firmes e atuantes nas esferas administrativas do poder público.

Ao fazer uma avaliação ao longo da história se vê que o coronelismo é ponto de obstrução e de emperramento de desenvolvimento do Brasil, é uma doutrina nefasta que corrói, dilacera, corrompe e destrói todo o foco afirmativo de crescimento político, econômico e social.

É comum dizer que, para se ter uma governabilidade serena, se faz necessária à aliança com os coronéis, e é o que tem sido feito, porém os problemas começam logo nas alianças, os coronéis que são fisiologistas por natureza exigem logo cargos e mais cargos, e o pior, não aceitam os que estão subordinados as normas, a lei, ou seja: que estão sujeitos a hierarquia do segundo ou terceiro escalão, preferem sempre os que tem autonomia financeira própria.

Por que a nossa classe política é tão dependente destes coronéis que tem uma política voltada, unicamente, para o bem estar de seus bolsos, de seus familiares, do fomento a corrupção na especialização de formação de caixas, peritos inclusive, na construção de caixa um, caixa dois, caixa três (.....) São na verdade sangue sugas da democracia que conspiraram contra o poder democrático, contra a norma, a ética, a lei e o estado , pois sempre foram e serão caciques de uma aldeia desafiadora ao estado democrático de direito, pois, são filhos legítimos da ditatura, amantes eternos do poder e de preferência do poder em regime de exceção.

É urgente uma política voltada para exterminar todos os males de agentes políticos que alcunham o Brasil como um país relegado eternamente ao país do futuro . Precisamos construir o Brasil que dá certo, que está dando certo, que precisa, tão somente, perder o medo destes abutres da política brasileira os famigerarados coronéis políticos, ou políticos coronéis.

Luiz Domingos de Luna é colaborador do Blog farias brito.