domingo, 9 de agosto de 2009

Saudade imensa


Que saudade imensa
Tão dura que corta
Tão fria que queima
Tão triste que chora
Tão bruta que teima.

Em trazer imagens
De meu velho pai
Que trazia no peito
Um amor tão perfeito
Que me amava de um jeito
Que ninguém ama mais.

Para brincar comigo
Nunca tinha cansaço
Me punha no colo
Me jogava pra cima
E me aparava em seus braços.

Que saudade imensa...

Em trazer as lembranças
Do meu velho, mais velho
De cabelos grisalhos
Que sentia orgulho
Em falar aos vizinhos
Que eu era seu filho.

Nos conselhos que deu
Nas broncas que dava
E só agora eu vejo
Que seu único desejo
Era mostrar que me amava.

Que saudade imensa...

Em me trazer remorsos
Pelo que eu não fiz
Por um amor tão grande
Por um amor tão forte
Que foi pela a vida
E será além da morte.

Por não tê-lo abraçado
Como me abraçou
Por orgulho ou frieza
Não ter declamado
O que hoje declamo,
E meio a um abraço
Falar com prazer
Meu pai eu te amo.



Francis Gomes
Postar um comentário