sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Nutricionista alerta para a necessidade de comer bem

Hoje é o Dia Mundial da Alimentação. Um assunto cheio de contradições já que, mesmo com os progressos da luta contra a fome, há ainda “mais de 800 milhões de pessoas que não têm acesso adequado ao alimento e, dessas, 200 milhões são crianças, conforme dados das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO)”. Só no Ceará a Secretaria de Saúde registra uma média de 6,45% de crianças com peso abaixo de 2,5 quilos.

     Na outra ponta estão as pessoas obesas. No último Globo Repórter um dado assusta: de cada quatro crianças uma é obesa. Outra informação é que 20% das crianças em idade escolar estão acima do peso, quando o aceitável é que esta quantidade se limitasse a 5%, conforme dados da Universidade do Rio Grande do Norte.

     Uma realidade bastante diferente da primeira, mas que também preocupa. Segundo a nutricionista Ângela Pimentel, a obesidade está matando tanto quanto a desnutrição, pois está ligada a diabetes, hipertensão, problemas de coração e nas articulações.

     Se por um lado há quem não tenha dinheiro para se alimentar, por outro há quem não saiba se alimentar. Nem sempre quem tem muito dinheiro sabe comer bem. “Tem gente por aí que é rico e acha que está ficando cego, quando na verdade está com sintomas de falta de vitamina A. Tem crianças com problema de fígado porque comem gordura demais”.

     Porém, para ter uma boa alimentação, rica em nutrientes, proteínas, lipídios, é preciso mais criatividade do que dinheiro. Imagine um prato de comida bem colorido, com verduras fresquinhas e um bolinho de carne em formato de torta. Agora imagine que muita gente prefere trocar esse prato por um desses lanches rápidos, recheados com catchup, hambúrguer e batata-frita.

     Um erro nutricional evidente. A verdade é que um bom arroz com feijão e ovo pode ser uma alternativa rica e nutritiva sem ser cara. “O que tira o valor nutricional dos alimentos é a forma como são aproveitados”, diz Ângela.

     No caso do ovo, se for cozido demais pode dificultar a digestão. A maçã comida com casta tem mais valor para o organismo do que sem casca, porque é onde estão as fibras que ajudam no bom funcionamento do intestino. E as celulites, que tanto preocupam a mulher são sintomas de falta de vitamina no organismo.Deixar a preguiça de lado também é importante. Ângela lembra que uma boa opção para quem não tem dinheiro sobrando é aproveitar as safras. “Lá em Mangabeira já vi mangas e cajus virarem lama porque ninguém aproveita as frutas para fazer geléias, tortas, entre muitas opções de receitas que são bastante nutritivas e baratas.

     “O Dia da Alimentação é todo dia. Se a alimentação é adequada, a saúde está preservada”, reforça a nutricionista. Na sua opinião, se os governantes soubessem que uma pessoa bem alimentada praticamente não vai parar no hospital e se recupera com muito mais facilidade das cirurgias, com certeza investiriam em alimentação. Incluiria, ainda, nutricionistas na programação das merendas escolares, pois cada período da vida exige uma combinação de alimentos específica.
Fonte: Jornal Diario do Nordeste
Postar um comentário