terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Ceará sai da área de risco desconhecido da febre aftosa

O anúncio foi feito pelo governador Cid Gomes durante lançamento do Hora de Plantar, no Cariri.

Ceará sai da área de risco desconhecido da febre aftosa

Foto: Queiroz Neto

A classificação sanitária da Febre Aftosa no Ceará passou de “área de risco desconhecido”, para “área de risco médio”. A notícia histórica foi dada nesta segunda-feira (21) pelo governador Cid Gomes durante o lançamento do programa Hora de Plantar em Juazeiro do Norte, na Região do Cariri, que foi comunicado por telefone pelo próprio ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Reinhold Stephanes.

“O que possibilitou o Ceará a sair do risco desconhecido foi um conjunto de fatores como a vacinação por três anos seguidos, diálogo permanente com o Ministério e o concurso para novos agentes. O Ceará poderá comercializar carne e, sobretudo, produtos laticínios que é uma das grandes potencialidades do Estado”, disse o Governador.

A Instrução Normativa coma nova classificação será publicada no Diário Oficial da União (DOU) de terça-feira (22). A conquista chega depois de esforço intensivo nas campanhas de vacinação que, em outubro, durante a segunda etapa, atingiu o recorde de 88,4% de imunização do rebanho. Na primeira etapa desse ano, que aconteceu no mês de abril, o índice foi de 85,8%. Outro número ultrapassado foi a quantidade de animais vacinados: 2,074 milhões de bovinos, das 2,3 milhões de cabeças cadastradas no Estado.

De acordo com o secretário do Desenvolvimento Agrário, Camilo Santana, a notícia já era esperada já que, nas últimas campanhas de vacinação contra a febre aftosa, o Ceará vinha conseguindo índices superiores a 80%. “A expectativa era muito grande, porque estávamos todos muito empenhados nessa missão. Agora caem as barreira para comercialização entre outros estados, podemos ter melhores investimentos no setor e, em 2010, queremos ter o Ceará no status “livre de aftosa com vacinação”, destacou o secretário.

A mudança foi autorizada após avaliações técnicas e auditorias realizadas pelo Mapa que constataram melhorias na qualidade e na capacidade técnica-operacional dos serviços veterinários no Ceará, relacionados à execução do Programa Nacional de Erradicação de Febre Aftosa (PNEFA).

Entre as ações empreendidas para tirar o Ceará do Risco Desconhecido está o trabalho conjunto entre a Secretaria do Desenvolvimento Agrário, Adagri e Ematerce, que intensificaram as campanhas de vacinação, realizaram concurso público para a Agência contratando 76 novos profissionais, além de terem concluído o cadastro agropecuário informatizado (Sidagro).

Em 2009, seis municípios vacinaram 100% dos seus rebanhos: Chaval, Martinópole, Uruoca, Maracanaú, Piquet Carneiro e Barroquinha, e o programa contou com o apoio de agentes de saúde da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), do Departamento Estadual do Trânsito (Detran), do Comando de Policiamento Rodoviário (CPRv), da Secretaria da Fazenda e da Polícia Rodoviária Federal.

Uma das exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para mudar a classificação de risco em relação à febre aftosa é que o Estado conheça seu público e mantenha o cadastro atualizado. “Hoje sabemos qual o tamanho do rebanho e quantos animais foram vacinados no Estado. Esse é um grande presente de Natal para todos nós”, disse Camilo.

Hora de Plantar

O projeto Hora de Plantar, lançado nesta segunda-feira (21), em Juazeiro do Norte, prevê distribuição de 4.140 toneladas de sementes das culturas de feijão, milho, arroz, sorgo, algodão, mamona, gergelim, girassol e amendoim, para 136.674 agricultores de base familiar em todo o Estado.

Para dar início ao plantio da safra 2010, o Governo do Ceará entregará, também, 30 mil metros cúbicos de mandioca; 1.500 toneladas de colmos sementes de cana-de-açúcar; 715 mil mudas de cajueiro anão precoce e 5 milhões raquetes de palma forrageira.

De acordo com o secretário do Desenvolvimento Agrário, Camilo Santana, o investimento total de R$ 17.087.650,00 em sementes e mudas, de elevado potencial genético, fortalece agricultura familiar, aumentando produtividade e renda dos trabalhadores. "Esse ano, para facilitar a entrega aos trabalhadores no Cariri, as sementes foram estocadas em dois pontos distintos: em Brejo Santo, leste da região, e Campos Sales, a oeste. Começamos pelo Sul do Ceará onde, tradicionalmente, as chuvas começam mais cedo, por isso, é preciso plantar antes".

Enquanto os 30.310 agricultores beneficiados no Cariri estiverem recebendo as 918 toneladas de sementes; 64 mil mudas de cajueiro; 700 toneladas de cana-de-açúcar; 5.150 metros cúbicos de mandioca; 470 mil raquetes de palma forrageira, com investimento total de R$ 3.393 milhões, estarão sendo orientados, paralelamente, com o Programa de Práticas Agrícolas de Convivência com o Semiárido. “A ideia é que os trabalhadores façam melhor uso do solo através da Captação In Situ, Plantio Direto, Escarificação de Solo e outros. Para isso, eles têm disponível recursos do crédito rural, sementes de alta qualidade e apoio do Programa Aquisição de alimentos (PAA). A cadeia está fechada para que todos tenham uma boa safra. No mais é aguardar para que o inverno seja regular”, disse Camilo Santana.

Assessoria de Imprensa da SDA

Jully Jeane (jullyjeanne@hotmail.com / 85 3101.6518)

Postar um comentário