terça-feira, 15 de dezembro de 2009

HOMENAGEM AO REI DO BAIÃO

Reza de sertanejo



Senhor, sou sertanejo valente
Acostumado a sofrer
Com a escassez de chuva
Que faz o meu sertão morrer
Sempre que o ano começa
Começo fazer promessa
Pedindo a Deus pra chover

Todo que busca encontra
Assim disse o Senhor
E o que pede recebe
Jesus Cristo assim falou
E eu pobre sertanejo
Pedi com tanto desejo
Que Deus então me escutou

Abriu as portas do céu
Para chover no sertão.
E eu que rezei chorando
Com os joelhos no chão
Pedindo para chover
Hoje rezo para ver
Se a chuva num cai mais não.

Porque já choveu de mais
Precisa chover mais não
Os açudes transbordaram
Que invadiu a plantação
Os rios encheram tanto
Ô meu Deus que teve canto
Que levou a criação

E só assim pude ver
Chuva de mais vale nada
Muita gente já morreu
Tanta casa foi levada
Ô meu Deus perdoa eu
Pedi pra chover choveu
Mas rezei de forma errada.

Bem falou o padre Cícero
Que viveu Ceará:
O sul vai virar sertão
E o sertão vai virar mar.
Do jeito que ele dizia
Cumpriu sua profecia
Pois num podia faiá.

Mas parece que Luis
Gonzaga rei do baião
Também sabia que um dia
Deus ia ouvir minha oração
E se doendo por eu
Ele explicou para Deus
Como foi minha petição.

E de maneira mais certa
Repetiu minha oração:
Senhor, pedir pra chover
Mas não chover de montão
Foi pra chover de pouquinho
Para chover de mansinho
Pra moiá a plantação

Sei que pedi pra chover
E pra chover Sem parar
Mas peço que me perdoe
Pois eu não soube rezar
Perdoe este pobre home
Que por sofrer com a fome
Pediu pro sol se arretirar

Quando pedi pra chover
Não foi chover sem parar,
E quando pedir ao Senhor
Para o sol se arretirar
Foi se arretirar um tiquinho
Pra esfriar um pouquinho
Só pro o sertão num queimar

Senhor, peço que me perdoe
Se eu num soube rezar
Mas agora eu lhe peço
Peço pra chuva parar
E se o Senhor achar por bem
Peço no ano que vem
Faça a chuva vortar

E quando o sol se arretirar
Se arretire um tiquinho
E quanto à chuva vortar
Vorte a chover de mansinho
Que dê pra moiá o chão
Pra criar a plantação
E o mato fique verdinho.





Francis Gomes
Postar um comentário