sexta-feira, 16 de julho de 2010

Desmontar pensamentos viciados ajuda a reduzir estresse, ensina livro de psicólogos

Desmontar pensamentos viciados ajuda a reduzir estresse, ensina livro de psicólogos


Dificuldade em lidar com as pressões do trabalho e as necessidades da família, ter muitas atividades e pouco tempo, sentir-se sempre cansado e irritar-se com facilidade são indícios de estresse, que pode ser resolvido pela adoção de um plano de proteção eficaz que orienta como evitar situações de desgaste ou reduzir seus efeitos.

O livro "Teste Sua Resistência ao Estresse" explica o que é o estresse, fornece um guia para você reconhecer os sintomas de estresse em sua vida e fazer seu tempo render mais.

Os psicólogos ingleses Liz O'Neill e Brian O'Neill têm experiência em consultoria de empresas. Especializados em psicologia empresarial, diariamente eles auxiliam pessoas a viver com mais qualidade e a se autodesenvolver continuamente.

Como reconhecer o pensamento viciado

A menos que você seja uma daquelas raras pessoas abençoadas com um temperamento maravilhoso, haverá dias em que tudo parecerá escuro ou, na melhor das hipóteses, nebuloso. Você gostaria de voltar para a cama e começar tudo de novo e sua família e seus colegas também!

Sob pressão prolongada, esse tipo de pensamento negativo em geral demora mais de um dia. Torna-se um hábito, e você pode ficar preso a um pensamento viciado sem perceber. Assim, quando você confronta um problema, o negativismo no pensamento dá o tom àquilo que você vê. E isso, por sua vez, afeta como você se sente e como lida com a situação.

Você precisa se pegar descendo a ladeira. É surpreendente que as pessoas não notem o que está acontecendo até chegarem ao fundo do poço. Sugerimos antes que você preste atenção a estes indícios óbvios:

- Sentir-se ansioso e pressionado, com a tensão aumentando.
- Sentir-se constantemente mais melancólico do que quem o rodeia. Há esperança nas nuvens negras das outras pessoas, não nas suas.
- Procurar pretexto para reclamar.
- Ter pavio mais curto do que antes.
- Achar difícil se concentrar ou se lembrar das coisas.
- Preocupar-se sem tanto motivo.

Esses são indícios infalíveis de que você deve parar e examinar seu modo de pensar. Quando você percebê-los, pare e se pergunte: em que estou pensando exatamente agora? O que estou dizendo para mim mesmo?

Já analisamos os indutores negativos que influenciam o pensamento e o comportamento. Embora possam parecer motivadores positivos, esses indutores inerentes são compulsivos e contraproducentes.

Eles não motivam as pessoas para uma realização saudável, mas provocam tensão e estresse.

Tentar "ser perfeito", por exemplo, significa estar constantemente perseguido por "deveria" e "devo", mas nem sempre correspondendo a esses padrões absurdos. Se você tenta constantemente "satisfazer os outros", raramente faz alguma coisa para satisfazer a si mesmo. Você se vê preso a um ciclo de pensamentos preocupantes e ansiedade crescente.

A importância que aquilo que se passa em sua cabeça tem no que você sente e faz foi reconhecida nos esportes, com a publicação de livros como "O Jogo Interno de Tênis". "Interno" é uma referência ao estado interno do tenista aquilo que o autor, T. Gallwey, chamou "o adversário que está dentro da cabeça de alguém [e que é] mais difícil do que aquele do outro lado da rede". Ganhar e ter êxito significava vencer aquele adversário interno em primeiro lugar.

*
"Teste Sua Resistência ao Estresse"
Autores: Liz O'Neill, Brian O'Neill
Editora: Publifolha
Páginas: 96
Quanto: R$ 6,90 (preço promocional, por tempo limitado)
Onde comprar: 0800-140090 ou na Livraria da Folha
Colaboração: Associação da Família Almeida
Postar um comentário