terça-feira, 27 de julho de 2010

Sonhar na medida certa pode ajudar nos estudos, mostra pesquisa



Segundo neurocientista, o cérebro usa os sonhos como um treinamento.
‘Eles são simulações de situações possíveis’, conta Sidarta Ribeiro.

Quem tem sonhos mais equilibrados tende a fixar melhor o que aprendeu durante o dia, mostram os resultados preliminares de um estudo conduzido pelo neurocientista Sidarta Ribeiro no Instituto Internacional de Neurociências de Natal.

Segundo a pesquisa, quem sonha pouco ou tem sonhos pesados - em muitos casos, pesadelos - retém menos informações na memória do que os que têm sonhos considerados “neutros”.

Para chegar a essa conclusão Ribeiro treinou jovens para um jogo eletrônico violento. Após uma noite de sono, as pessoas foram entrevistadas sobre o que sonharam, e as que tiveram sonhos mais equilibrados foram aquelas que conseguiram um desempenho melhor ao jogar no dia seguinte.

De acordo com o pesquisador, o estudo mostra que os sonhos são usados pelo cérebro como uma forma de treinamento. Se o treino for pouco, tem pouca serventia, e se for excessivo pode causar fadiga ou estresse, perdendo seus efeitos benéficos.

“Os sonhos são simulações de situações possíveis, sejam elas boas ou ruins”, explicou o neurologista em uma conferência durante a reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) que ocorre nesta semana em Natal.

Vestibular
Uma experiência semelhante foi feita no Instituto de Neurociências com pessoas que iriam prestar o vestibular. Elas responderam um questionário sobre o conteúdo de seus sonhos, e o resultado foi comparado ao desempenho delas nas provas para entrar na faculdade.

Ribeiro conta que os dados obtidos apontaram para a mesma direção da outra pesquisa: em geral, quem sonhou que foi muito mal no teste (sonho ruim) ou sonhou que estava comemorando o resultado (sonho excessivamente bom) teve desempenho pior do que aqueles que sonharam com uma situação corriqueira do vestibular, como as questões que iriam cair ou a matéria que estava sendo estudada.

Nas escolas
O papel de fixação do aprendizado por meio do sono e dos sonhos tem sido testado na prática nas escolas de em Natal. Uma terceira pesquisa realizada pelo Instituto de Neurociências comparou resultados de aprendizagem entre jovens que dormiram logo após ter uma aula sobre memória e um grupo que continuou estudando.

O resultado, segundo Ribeiro, apontou que a soneca aumentou a memorização do conteúdo entre 5 a 10%. De acordo com o pesquisador, isso demonstra, na prática, os estudos neurológicos que apontam que o sono ajuda a transformar memórias temporárias em informações permanentes no cérebro.

www.g1.com.br

Postar um comentário