sábado, 7 de maio de 2011

Barragens subterrâneas levam sustentabilidade ao Semiárido



A barragem pode ser construída ao longo de leitos de rios ou riachos e em locais por onde escorre o maior volume de água no momento das chuvas, as chamadas linhas d’água. A construção da parede, que pode ser de alvenaria ou lona, é feita numa cavidade aberta até a camada mais endurecida do solo e perpendicular ao sentido da descida das águas. O trabalho de abertura dessa cavidade conta com a participação de toda a comunidade local e pode levar até três semanas para ficar pronta, dependendo das condições do solo. “As barragens são feitas com mão de obra familiar, em que a comunidade faz um mutirão para abrir a parede. É autossustentável”, explica a pesquisadora Maria Sônia Lopes, da Embrapa Solos.

A vazante artificial formada pela barragem faz com que o terreno permaneça úmido de três a cinco meses após a época chuvosa, o que permite a plantação de culturas de subsistência, como grãos e hortaliças, e contribui para a redução dos efeitos negativos dos períodos de seca. “A experiência com barragens subterrâneas comprova que ela contribui para a segurança alimentar e nutricional das famílias agricultoras, além de diminuir a demanda por produtos externos à propriedade”, diz a pesquisadora.
Clécio Bezerra/ASA
A barragem subterrânea se apresenta como a melhor forma de estocagem de água para o Semiárido

Segundo Sônia, as primeiras barragens de que se tem notícia no Brasil datam da década de 50, mas a técnica só começou a ser estudada pela Embrapa e por outras instituições do Nordeste a partir de 1982, o que contribuiu para sua difusão e viabilizou formas mais econômicas para a construção.

Atualmente, o programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2), desenvolvido pela Articulação para o Semiárido Brasileiro (ASA Brasil), está sendo implantado em toda a região e conta com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Codevasf, Fundação Banco do Brasil, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Petrobras e Cooperação Espanhola. O princípio básico do programa é dotar cada família de terra para produzir alimentos de maneira sustentável e “duas águas”, uma para o consumo humano e outra para a produção de alimentos e criação de animais. De acordo com o coordenador do programa, Antônio Gomes Barbosa, aproximadamente mil barragens já foram construídas no semiárido, sendo 700 delas pela ASA. A intenção agora é expandir a tecnologia. “A barragem subterrânea é a melhor forma de estocagem de água que existe. Nossa pretensão é atingir de 5 mil a 6 mil barragens nos próximos quatro anos”, afirma.

Além das barragens, o programa também desenvolve outras tecnologias que visam à sustentabilidade do Semiárido, como a construção de cisternas e de poços
Postar um comentário