segunda-feira, 18 de julho de 2011

Inspirado no poema de Cora Coralina, todas as vida.


Só vive em nós o que deixamos


Quis viver em mim um político corrupto.
Um viciado em drogas,
 espancador de mulheres.
Quis viver em mim um vagabundo
preguiçoso sem sonhos.
Um incrédulo mentiroso e arrogante.

Quis viver em mim  um racista,
 rico e orgulhoso
Praticante do bullying.
Quis viver em mim um boêmio
malandro e bom de lábia.
Mas não dei espaço para isso.

Deixei viver dentro de mim,
um lavrador  de mãos calejadas,
um caboclo de pele queimada do sol,
de  sonhos pequenos.
Vive dentro de mim um pai de família
que acorda cedo e dorme tarde.

Que pega trem lotado
buzão apertado
e anda a pé para economizar um trocado.
Vive dentro de mim um desempregado,
um  mendigo sujo a pedi esmola
um cão rabugento.

Vive dentro de mim um branco,
um preto, um índio
um amarelo, um pardo.
Vive dentro de mim
um pai, um filho
um preto velho.

Vive dentro de mim um causador de emoções,
furtador de lágrimas
 roubador de sorrisos
um contador de histórias
um  matuto,  um caipira
um poeta.


Postar um comentário