segunda-feira, 21 de maio de 2012

Ceará já perdeu R$ 1,51 bi do valor da produção agrícola

Em abril, das 11 principais lavouras cearenses, seis apresentaram queda no Valor Bruto da Produção
As consequências da irregularidade de chuvas, neste ano, no Ceará, já são bem evidentes sobre a agricultura, acarretando perdas em várias culturas. Segundo cálculo da Assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgado na última quinta-feira, relativo a abril, o Valor Bruto da Produção (VBP), que é a soma do montante das principais lavouras do Estado, está estimado em R$ 1,51 bilhão, cifra em torno de 29% abaixo da registrada para a safra de 2011, apurada em R$ 2,12 bilhões.

A queda é a segunda maior dos últimos oito anos - abaixo de 2007, que havia sido de 32,12%. Este resultado aparece como o pior do Nordeste, à frente de Pernambuco e Paraíba, que tiveram retração de 2,02% e 1,52%, respectivamente. O valor bruto da produção é obtido por meio das informações de safras e dos preços. Os ajustes nas quantidades e nos valores mês a mês é que vão definindo a estimativa de valor para o ano em curso.

Das 11 mais importantes lavouras do Ceará observadas pelo Mapa, em abril deste ano, seis obtiveram queda no VBP. Os recuos mais expressivos foram registrados no milho (-54,94%) e no feijão em grãos (-53,45%).

Lavouras penalizadas
Para o primeiro, o indicador está calculado em R$ 184,04 milhões, ante R$ 408,45 milhões em 2011. Já para o segundo, o VBP é de R$ 322,53 milhões, contra R$ 692,82 milhões no ano anterior. Vale ressaltar que estas duas lavouras, juntamente com o arroz, respondem por mais de 90% da produção de grãos em solo cearense.

Além destes, também apresentaram diminuição no Valor Bruto da Produção, o arroz em casca (-28,23%), o algodão herbáceo (-20,51%), o café em côco (-17,01%) e ainda a banana (-12,39%).

Quanto aos aumentos, o maior destaque foi para a mandioca, cuja elevação no VBP foi de 27,88%. Para este ano, o valor calculado é de R$ 215,04 milhões, enquanto que no ano passado foi de R$ 168,17 milhões. Ainda apresentaram avanços a cana-de-açúcar (2,24%) e o tomate (1,32%).

Resultados regionais
A seca ocorrida no fim do ano passado e no início deste ano, no Sul, e a que assola o Nordeste, tem provocado perdas em diversas lavouras. As informações de safra referentes ao mês de abril mostram quedas de produção de feijão e milho no Nordeste, entretanto, ao contrário da primeira, cujo VPB para 2012 aponta para redução de 20,34%, na segunda, ainda deverá haver crescimento de 25,42% neste ano, conforme o cálculo do indicador em abril último.

Melhor situação
Estão ajudando a puxar o VBP do Nordeste para cima estados como o Maranhão (157,39%), Sergipe (25,84%) e Bahia (7,42%). As regiões Norte, Sudeste e Centro-Oeste também apresentaram alta no VBP de 10,26%, 7,42% e 4,81%, respectivamente.

Faec defende benefícios a todos os produtores
O Presidente da Faec (Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará), Flávio Saboya, afirmou que 100 mil produtores, no Estado, são beneficiários em potencial de vários programas do governo federal, inclusive com medidas de combate à estiagem, enquanto outros 200 mil que compõem a classe média não estão incluídos de forma diferenciada nas iniciativas de combate à seca, "como se a chuva escolhesse onde cair".

Ele defende a necessidade de uma política intermediária que atenda ao pequeno e ao médio produtores. Pelo atual modelo, para conseguir qualquer crédito acima de R$ 12 mil, o médio produtor precisa de um projeto com laudo.

Hoje, segundo Saboya, a venda do milho-balcão está sendo feita a R$ 21,00 para produtores da agricultura familiar e R$ 31,00 para o médio produtor. Para o pequeno produtor, o milho custa R$ 18,00. No momento, espera-se uma portaria da Conab, regulamentando um preço mais equilibrado para todos.

Pleitos
No intuito de conseguir melhores condições para a agricultura cearense, os representantes do setor apresentaram, no último dia 15, propostas visando dar um maior vigor para a atividade.

Implantar uma central de produção de ração; diminuir imediatamente o preço do milho e da soja; e uma política de juros mais baixas para o médio produtor estão entre as medidas expostas durante o Pacto de Cooperação da Agropecuária Cearense (Agropacto), realizado no auditório do Banco do Brasil.

Para o secretário de Desenvolvimento Agrário do Estado, Nelson Martins, está clara a intensidade da estiagem que acomete o Estado do Ceará nesse ano. Com base nisso, a SDA, ao lado da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), e Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS), levantou ações que foram levadas à presidente Dilma Rousseff no ultimo dia 23 de abril, em Aracaju-SE. Foi criado também o Comitê Integrado ao Combate às Secas, que já se reuniu três vezes e tem procurado diminuir a burocracia.

Culturas
54,9 por cento foi a redução no VBP do milho no Estado. Juntamente com feijão e arroz, essa cultura representa cerca de 90% de toda a produção de grãos cearense, motivo pelo qual a safra desse ano deverá ser ruim

ANCHIETA DANTAS JR.REPÓRTER
Postar um comentário