quarta-feira, 21 de novembro de 2012

MECENAS DA SÉTIMA ARTE EM AURORA – MARIA EDIANE DE LIMA.



Luiz Domingos de Luna*

Em 1997, sob o projetar de um raio luminoso do sol nascente, ecoou as margens do Rio Salgado o tinido do clarão da objetiva da nova visão empresarial em Aurora.

Nasceu assim, O Baratão Móveis, sob a batuta do maestro Tarcisio Gonçalves de Oliveira, a orquestra dos construtores da maior empresa de móveis e elétricos da cidade, pisando nas partituras harmoniosas e suaves, dando o tom poético, que unge a tinta que une o universo comercial de Aurora uma nova visão empresarial – Baratão Móveis, uma realidade a nova aurora que nasceu com beleza maestria e serenidade.

No ano 2004, na Arcádia florida de servir bem a sociedade aurorense, na postura despojada das estrelas que formam o universo feminino, assim o timão do Baratão Móveis é conduzido pelo brilho encantador de MARIA EDIANE DE LIMA, que numa profissão de fé, a continuidade da harmonia crescente, pois a perseverança a nova visão empresarial do casal que betumou a catedral do sonho de todos: “ter acesso ao possível e poder continuar a sonhar, pois no caminho do sonho, o Baratão, sempre uma possibilidade da realização plena abundante a todos”

No ano de 2012, sob o ímpeto da grandeza da alma feminina, reativa A Primeira Companhia de Teatro Amador Cultural – Luzes da Ribalta, Terminal de arte e cultura moderna- Sétima arte, a arte pura em projeção, com cenário único, criado como uma utopia pelo professor Luiz Domingos de Luna e de propriedade da Escola de Ensino Fundamental e Médio Monsenhor Vicente Bezerra em tempos idos, vividos e esquecidos na poeira de uma estrada de sonhos que tendem ao infinito e, ao chegar ao infinito , não contentes, se criam outros e mais outros em sonhos que não se acabam nunca- Pois viver é sonhar.

Ao fecho deste universo em expansão, entre a utopia e a realidade, a bailar também nos labirintos insondáveis do estar presente no Planeta Terra, na perecividade do tempo e na certeza de que somos passageiros desta nave espacial que é a Terra, MECENAS DA SÉTIMA ARTE EM AURORA – MARIA EDIANE DE LIMA, reacende o refletor do tempo espaço para mais uma apresentação do Luzes da Ribalta, que fez uma pausa no tempo, mas continuou presente a espreita de um público ávido pelo culto, pelo belo, pelo o ousado, pela arte projetada na tela da realidade presente e, como passaporte já assegurando para a história, pois viver, pressupõe servir ao meio social e fomentar na sua textura condições para que as futuras gerações possam também, sonhar e, Praza DEUS TRINO o sonho se transforme também em realidade.

( * ) Colaborador do Blog  Farias Brito.












Postar um comentário