sábado, 31 de agosto de 2013

Filme de Rosemberg Cariry vai encerrar a 23ª edição do Cine Ceará

Os Pobres Diabos' é nova ficção do cineasta cearense.
23° Cine Ceará será realizado de 7 a 14 de setembro, em Fortaleza.

Do G1 CE

Silvia Buarque, Chico Diaz e Gero Camilo em Os Pobres Diabos (Foto: Claudio Lima/ Divulgação)Silvia Buarque, Chico Diaz e Gero Camilo em Os Pobres Diabos (Foto: Claudio Lima/ Divulgação)
A ficção do cineasta Rosemberg Cariry, “Os Pobres Diabos” vai encerrar com uma exibição especial a 23ª edição do Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, no dia 14 de setembro. O 23º Cine Ceará será realizado de 7 a 14 de setembro, pela primeira vez no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.
Exibições e palestras do 23° Cine Ceará vão acontecer também no espaço da Caixa Cultural, na Casa Amarela Eusélio Oliveira, na Universidade de Fortaleza (Unifor), no Mercado dos Pinhões e na Vila das Artes. O festival vai homenagear a cinematografia contemporânea de Portugal, trazendo longas e curtas produzidos nos últimos 15 anos e com a presença da atriz, cantora e cineasta portuguesa Maria de Medeiros, que realizará show de abertura e terá uma mostra especial.
Chico Diaz, Rosemberg Cariry e Silvia Buarque (Foto: Claudio Lima/ Divulgação)Chico Diaz, Rosemberg Cariry e Silvia Buarque (Foto:
Claudio Lima/ Divulgação)
A exibição especial de “Os Pobres Diabos” será feita no mesmo dia do anúncio dos curtas e longas vencedores do Festival. O 12° longa-metragem de Rosemberg Cariry é estrelado por Silvia Buarque, Chico Diaz, Everaldo Pontes, Gero Camilo, Zezita Matos e marca o retorno do cineasta à ficção. Os últimos trabalhos de Cariry foram os documentários “Cego Aderaldo – O Cantador e o Mito” (2012) e “Patativa do Assaré, Ave Poesia” (2007). No dia 18 de setembro, o novo filme abrirá a mostra competitiva do 46º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. O lançamento comercial está marcado para o segundo semestre de 2014.
“Os Pobres Diabos” mostra a difícil jornada dos artistas e trabalhadores de um pequeno circo lutando pela sobrevivência, permeada de aventuras e desventuras dos anti-heróis picarescos inspirados nas artes populares. “Vemos que o espetáculo continua, apesar de todas as dificuldades. O filme tem um espírito bem humorado, mas esbarra em uma dura realidade que se encaminha, no final, para uma tragicomédia”, afirma o cineasta.
A trama surgiu das memórias do próprio cineasta quando vivia no sertão do Ceará, onde era comum a presença de circos itinerantes. Rosemberg Cariry nasceu em Farias Brito, a  , em 1953. Entre os doze filmes de longa-metragem que realizou, estão “Corisco e Dadá” e “O Caldeirão da Santa Cruz do Deserto”.
23° Cine Ceará
Nesta edição, oito produções concorrem ao Troféu Mucuripe de longa-metragem nas categorias melhor filme, direção, fotografia, edição, roteiro, som, trilha sonora original, direção de arte, ator, atriz e prêmio da crítica. São eles: Se Deus Vier Que Venha Armado, de Luis Dantas (Brasil); Emak Bakia, de Oskar Alegria (Espanha); Olho Nu, de Joel Pizzini (Brasil); Rincón de Darwin, de Diego Fernández Pujol (Uruguai-Portugal); El paciente interno, de Alejandro Solar Luna (México); La Película de Ana, de Daniel Diaz Torres (Cuba); Mercedes Sosa, la voz de Latinoamérica, de Rodrigo H. Vila (Argentina); e Solidões, de Oswaldo Montenegro (Brasil).
Já na Mostra competitiva de curtas-metragens, doze filmes concorrem ao Troféu Mucuripe – nas categorias melhor filme, direção, roteiro, produção cearense e prêmio da crítica: Au Revoir, de Milena Times (PE); ED., de Gabriel Garcia (RS); Em Cartaz, de Fernanda Teixeira (RJ); Jessy, de Paula Lice, Rodrigo Luna e Ronei Jorge (BA); Mauro em Caiena, de Leonardo Mouramateus (CE); O Melhor Amigo, de Allan Deberton (CE); O Pacote, de Rafael Aidar (SP); O Pai do Gol, de Luiz Ferraz (SP); O Que Lembro, Tenho, de Rafael Barbosa (AL); Pintas, de Marcus Vinicius Vasconcelos (SP); Quinha, de Caroline Oliveira (PE); e Sanã, de Marcos Pimentel (MG).

 

Postar um comentário