domingo, 31 de julho de 2011

Fé, Devoção e Cura - Por Laice Almeida

D. Antônia, 61 anos, residente em Farias Brito, sítio Escondido é rezadeira há 39 anos e devota de São Lázaro.

Além de rezar em crianças, jovens e adultos do entorno e de outras comunidades, ela é devota de S. Lázaro, pois já adulta teve um problema muito sério fez uma promessa e obteve êxito e a partir daí , realiza todos os anos uma devoção ao santo, oferecendo um almoço para doze cães e seus respectivos donos.

Dona Antonia é uma senhora baixa, morena, simpática, carregada de uma bondade e humildade infinita.Acolhe a todos que a procuram em sua casa feita de argila e barro,( como tantas casas ainda presentes na paisagem do nordeste); para rezar para os males do corpo e da alma.

As suas orações são um misto da devoção a vários santos. Essa forma de manifestação religiosa, cheia de simbologias, superstição e magia tiveram grande repercussão na Idade Média e chega ao Brasil por volta dos séculos XVI e XVII. Daí pode-se compreender o universo das lutas messiânicas, no século passado e a religiosidade tão presentes nos cultos religiosos e nas rezadeiras no nordeste brasileiro.

Mesmo em tempos atuais, com os avanço da tecnologia, e com os mais modernos recursos da medicina do século XXI, a cultura das rezadeiras ainda se faz muito presente; e essa cultura é passada de pai pra filho, pois de acordo com essas pessoas é um “dom” recebido por Deus e elas não podem deixar de desenvolver em outras pessoas.

Um grupo de estudantes da URCA do II período de História, na disciplina de Antropologia desenvolveram um estudo etnográfico sobre o trabalho desempenhado por D. Antonia na comunidade, seguido do registro de fotos, vídeo e uma entrevista.


Hoje 31 de julho por volta de 11:00 horas da manhã foi realizada uma celebração a São Lázaro e uma representação feita por crianças.

Às 12:00 servido o almoço para os cães.

Às 12:30 um almoço para os convidados.

Está de parabéns! Dona Antonia e sua família pela bonita festa.





Texto: Por Laice Almeida
Fotos: Yuri Lacerda
Postar um comentário