quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Balbino Ferreira da Silva, o relicário do Velho Quixará.


De semblante contemplativo, manso no falar e nobre nas atitudes , assim é o nosso homenageado. A lentidão do caminhar e a voz trêmula, apresentam as ações do tempo em sua vida. Porém, a memória em pleno funcionamento demonstram a sua integridade, altivez e determinação, virtudes que lhe acompanham por toda a vida.
No pacato ano de 1937 , tempos de provações e dificuldades e acordos políticos, um Município se reerguia no sul do Ceará. O Distrito de Quixará ganhava novamente a sua autonomia político-administrativa. As eleições sufragariam o nome do Primeiro Prefeito Manuel Pinheiro de Almeida, em candidatura única. O nosso nobre Balbino já atuante na vida social, escolhido para conduzir as urnas até o Crato para a apuração. Teria sido ele o condutor também de acordos de paz para a realização do pleito.
De brilhante atuação social, foi um homem que viveu com intensidade o seu tempo, com olhares voltados para o futuro, tendo ocupado o cargo de Professor Municipal numa época em que a educação era privilégio de poucos. A nobreza de suas ações passam pela atuação junto aos irmãos vicentinos e do movimento sindical, tendo sido o pioneiro de ambos no Município de Farias Brito e na região do Cariri, com o apoio da Fundação Padre Ibiapina e da Diocese do Crato.
Em lombo de animal, percorreu todos os rincões do Município de Farias Brito , trabalhando como recenseador. Foi membro voluntário dos Correios pelo simples desejo de servir, uma das qualidades mais notórias de sua personalidade.
Todas esses dons do nosso homenageado são nitidamente lembradas por cada um dos moradores da pequena Nova Betânia, onde o mesmo é carinhosamente chamado de “Deus”, dada a sua bondade registrada e a sua íntima ligação com a Santa Igreja Católica. A sua residência sempre foi o ponto de apoio de todos que visitavam a localidade, incluindo principalmente seminaristas, padres e diáconos, tendo recebido por diversas vezes os Bispos da Diocese do Crato. Sempre que menciona fatos dessa natureza, enfoca com muito desvelo os nome do Cônego Feitosa, do Padre José Ferreira Lôbo e do Monsenhor Ágio Moreira, Ex - Vigários desta paróquia de Nossa Senhora da Conceição.
Na atualidade, ressalta com saudades o seu carinho e afeto pelo saudoso padre José Coringa que o visitou por diversas vezes na sua residência.
As pequenas atitudes marcam a vida das pessoas. Parece que estou vendo em minhas visitas àquela localidade, o caminhar já lento se dirigindo a Capela, onde em voz alta e retumbante bradava no som : “Vai ter Missa e o Padre já chegou”. Em seguida dirigia-se ao sino e anunciava novamente da forma mais tradicional. “Felizes os que atraem as almas para Deus” Foi assim que conheci Seu Balbino, este homem eterno, retrato vivo da Nova Betânia, cujo valor histórico é imensurável.
No brilho dos olhos azuis, a nítida aparência de um homem curioso, sedento de informações, querendo saber o que está acontecendo no mundo de hoje, uma vez que a sua mente fértil e lúcida exige esse íntimo contato com a atualidade.
O Velho Balbino Ferreira foi um grande colaborador do Livro Memórias do Quixará. Conta com precisão e propriedade, como se tudo estivesse ocorrendo na sala de visitas de sua casa. Retrata informações sobre a Era Vargas , o Estado Novo e o Regime Militar. Em questões locais participou de movimentos de ordem política, tendo sido amigo íntimo de lideranças de seu tempo e sempre consultado por estas na tomada decisões que decidiriam os destinos do Municípios.
A Criação do Distrito de Nova Betânia em 1º de maio de 1954 foi vivenciada por ele , contando detalhes da grande festa de implantação. Lembra com sobriedade de Maurício Maia, Quintino Fernandes, Manoel Neres, Manoel Guedes e tantos outros que fizeram parte dessa história, brevemente sexagenária.
Acredito que o povo daquela localidade tenha um grande respeito e admiração por esse ícone, cuja memória viva deverá ser usufruída e aproveitada como manancial de informações para a posteridade. Sugiro ao poder público um busto em Praça Pública, ou uma placa de homenagens indicando aos mais jovens as grandes virtudes deste herói betanhense.
No seio de sua família , sendo amado e respeitado, ao lado da eterna companheira Maria Ferreira da Silva ( Bonita) , vivem um grande amor há 75 anos, cercado pelo carinho e pelo afeto dos seus 06 filhos, 22 netos e 45 bisnetos.
Esse é um resumo histórico da vida de um homem do bem, que todos os dias planta amor e amizade, apaixonado pela Betânia onde todos são seus familiares e amigos, motivos pelos quais sente-se feliz sob a proteção do manto de Nossa Senhora das Graças. Da janela da sua residência aprecia aquela Capela Histórica cujos traços do passado não desapareceram com o tempo.
Naquele torrão, ele nasceu no dia 01 de março de 1915. Lá deseja celebrar o seu centenário e quando Deus o chamar é de sua vontade que aquela mesma terra lhe sirva de berço.
Que o nome de Balbino Ferreira da Silva seja sempre imortalizado, transcendendo o distrito de Nova Betânia e adentrando por todos os rincões do Município de Farias Brito, pela sua bravura , e acima de tudo pelo espírito de serviço dedicado ao povo de nossa terra ao longo de 98 anos.

Cícero Duarte de Menezes
Professsor e Pesquisador
Postar um comentário