quarta-feira, 12 de março de 2008

Bicampeão de matemática é exemplo de superação

Domingo, 02/03/2008

Ricardo Oliveira da Silva mora em Várzea Alegre, no Ceará. Ele é paraplégico, mas superou muitas dificuldades e conseguiu ser bicampeão na Olimpíada Nacional de Matemática.



Domingo, 09/03/2008

Após aparecer no Fantástico, a vida de Ricardo, campeão das Olimpíadas de Matemática, mudou completamente. O país se sensibilizou com a história do jovem e até uma casa nova ele ganhou.



27/02/2008 - 09h05

Alfabetizado pela mãe, garoto ganha ouro em matemática

ITALO NOGUEIRA
da Folha de S.Paulo, no Rio

Nas estatísticas, a presença de Ricardo Oliveira da Silva, 19, na sétima série do ensino fundamental contribui para a alta defasagem escolar --repetência-- no país. No mundo real, é a história de um vencedor.
Vítima de amiotrofia espinhal (doença neurológica que causa a atrofia da medula espinhal e fraqueza muscular), Ricardo foi condecorado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ontem, no Teatro Municipal do Rio, com sua segunda medalha de ouro nas Olimpíadas Brasileiras de Matemática das Escolas Públicas, ocorrida no ano passado, um galardão destinado aos 300 melhores do país, numa disputa que envolveu 17,5 milhões de estudantes.

Ricardo, que vive em Várzea Alegre (CE), a 467 km de Fortaleza, foi alfabetizado pela mãe, a dona de casa Francisca Antônia da Conceição, 45, que cursou só até a sexta série. Ela lhe ensinou regras de português e as quatro operações básicas de matemática (soma, diferença, multiplicação e divisão).

"Não tenho internet. Comecei a estudar com livros do meu irmão. Agora estudo com livros emprestados lá da escola. Meu irmão foi medalhista de bronze estadual no ano passado. Quem me matriculou foi o diretor da escola, que soube da minha história e foi me procurar", conta em tom de voz baixo, parte por timidez, parte pelas dificuldades motoras causadas por sua doença, que o obriga a usar cadeira de rodas.

Atualmente, para fazer as provas na escola municipal Joaquim Alves de Oliveira, seu pai precisa carregá-lo por cerca de 1 km em um carrinho de mão. As professoras levam matérias e exercícios a sua casa.

Ricardo vive em um pequeno sítio cujo acesso é apenas por estrada de barro e pedra. Sua família sobrevive com plantação de arroz, feijão e milho --para subsistência--, R$ 100 da bolsa de iniciação científica que ganha devido às olimpíadas e R$ 76 do Bolsa Família.

A Prefeitura de Várzea Alegre não oferece condução para Ricardo freqüentar o colégio. "Quando chove fica impossível andar por ali", diz o pai, Joaquim Oliveira da Silva, 43.

As medalhas de ouro lhe garantem ainda aulas particulares com o professor de matemática Valberto Rômulo Feitosa, 33. "Ele consegue, com livros simples, criar teorias matemáticas. É uma honra dar aula para um aluno como ele."

Ontem, na cerimônia de entrega das medalhas para os 300 melhores alunos das Olimpíadas Brasileiras de Matemática das Escolas Públicas, Ricardo foi ovacionado pela platéia do Teatro Municipal do Rio. Ao fazer o discurso final do evento, o presidente Lula pediu que o estudante ficasse a seu lado e o citou como exemplo para os demais alunos.

"O Ricardo diz que quer fazer um curso superior e seguir a carreira na área de ciências exatas, matemática ou computação, se o [banco] Itaú der um computador. Ele sonha ajudar o país com seus conhecimentos e diz que, hoje, é o Brasil que está lhe ajudando, mas, amanhã, pode ser ele que esteja ajudando o Brasil", afirmou o presidente Lula.

"A deficiência física não atrapalha, o que conta é o talento e o esforço. Todo mundo tem algum defeito. Algumas pessoas parecem perfeitas, mas têm defeitos muito graves como a preguiça e o desinteresse, por exemplo", declarou.

A referência ao banco Itaú foi uma cobrança bem-humorada feita por Lula --e, anteriormente, também pelo governador Sérgio Cabral-- pelo fato de o banco, parceiro do governo também na organização da primeira Olimpíada de Língua Portuguesa, ter distribuído laptops apenas aos alunos vencedores da olimpíada por três anos seguintes. Ambos sugeriram ao banco que, da próxima vez, premie os 300 alunos que receberam medalhas, e não apenas os tricampeões.

"Diga-se de passagem, com o lucro que o Itaú está tendo, isso não vai custar nada", disse o presidente.

Postar um comentário